Arquivo do mês: março 2010

>UMA PEÇA DE COLECIONADOR

>

Meus poucos mas fiéis leitores… Como se pode facilmente perceber, afinal são 17h e não escrevi um “a” no BUTECO, estou assoberbadíssimo (como há muito não ficava). Interrompo, entretanto, o que me assoberba, para fazer um anúncio um pouco inusitado mas efetivamente incrível (e imperdível, quem me dera ter espaço pra coisa…)! Não preciso repetir o que penso sobre esse gênio da raça que nasceu Aldir Blanc – o maior compositor brasileiro entre vivos e mortos, o orixá vivo que me rege. “Aldir Blanc é compositor carioca, é poeta da vida, do amor, da cidade. É aquele que sabe como ninguém retratar o fato e o sonho. Traduz a malícia, a graça e a malandragem. Se sabe de ginga, sabe de samba no pé. Estamos falando do ourives do palavreado, estamos falando de poesia verdadeira. Todo mundo é carioca, mas Aldir Blanc é carioca mesmo. É Dorival Caymmi que está falando aqui” e isso, gravado em seu CD 50 ANOS, já diz tudo. Dito isso, feito o intróito puxa-saco sem qualquer pudor, vamos em frente. O fato é que – e não é sonho! – Aldir está se desfazendo da mesa de sinuca, tamanho oficial, que mantém, há anos, na ampla sala de seu bunker, na Muda (Tijuca, evidentemente). Pediu-me que anunciasse aqui, neste balcão, o tesouro: a mesa, em mais-que-perfeito estado, a taqueira sem os tacos (os tacos viraram espada nas mãos dos netos…) e dois jogos de bolas (também em perfeito estado), um da sinuca brasileira e outro da sinuca americana. Tem mais, tem mais! O felizardo, se quiser, leva a mesa com uma dedicatória do compositor sobre o pano verde (a idéia, genial, é dele). Franca e sinceramente? Imperdível (repito que lamento profundamente me faltar espaço para tê-la para mim…). Vocês já imaginaram o orgulho do cara que pudesse dizer, hoje, que tem a mesa de sinuca na qual jogava Noel Rosa? Ou o piano que foi do Tom Jobim? Ou a cadeira de balanço do velho Caymmi? Pensem nisso. O sistema será de leilão… O lance começa – depois de pesquisas de mercado – com R$ 4.000,00 (quatro mil reais). E vale lembrar que caberá ao feliz adquirente os custos com a retirada da mesa, desmontagem e montagem da colossal lembrança. Dê seu lance através deste e-mail aqui. Sou, eu sei, tido por muitos de vocês como um exagerado. Mas essa mesa, caríssimos, não tem preço.

Até.

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

>HORA DO PLANETA?

>

Não ia dizer nada sobre essa babaquice olímpica que é a HORA DO PLANETA mas eu já recebi, só hoje, três e-mails pedindo minha adesão à palhaçada, mais uma iniciativa do movimento que tenta empurrar a estética gay, afrescalhando o mundo, pra cima de todos. Quero dizer, pois, de público, que aqui em casa, a partir das 20h30min, enquanto (li n´O GLOBO) “serão apagadas as lâmpadas que iluminam a orla de Copacabana, o Arpoador, o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar, a sede da Fiocruz, o Jockey Club, o Monumento aos Pracinhas e a Igreja da Penha”, enquanto “uma vigília à luz de velas acontecerá na Lagoa Rodrigo de Freitas”, enquanto o patético “ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e o prefeito (…)” (vândalo) “(…) Eduardo Paes vão desligar o interruptor simbólico das luzes da cidade”, vou ligar TODAS as luzes, inclusive a da geladeira, que permanecerá aberta por uma hora.

Até.

10 Comentários

Arquivado em Uncategorized

>VARANDÃO SONORO DOS SÁBADOS

>

Volto a escancarar os janelões do varandão! Como no sábado passado, a manhã está mais-que-azul. Como no sábado passado, deixo com vocês outro dos registros mais bacanas que jamais ouvi. Trata-se de outra gravação caseira feita por Chico Buarque, na casa de Tom Jobim, no instante em que o maestro brasileiro tocava BATE-BOCA. É curioso perceber que o título foi “dado pelo Chico”. Curioso, também, perceber que Tom Jobim cantarola, bem baixinho (e pouco nítido), o que seria a letra de autoria do Chico. Ocorre que BATE-BOCA foi gravada pelo MPB-4 e pelo QUARTETO EM CY, sem letra. Espero que vocês gostem. E que se emocionem, como eu (não é demais repetir) me emociono todas as vezes que ouço essas gravações.

http://www.divshare.com/flash/playlist?myId=10893243-db8

Até.

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

QUEM SÃO OS VÂNDALOS?

A foto abaixo foi tirada por mim, ontem, às 13h17min, da esquina das avenidas Almirante Barroso e Antônio Carlos, no centro do Rio de Janeiro, e mostra diversos carros oficiais (segundo informação de um PM), pretos (embora com placas comuns), estacionados sobre a calçada, uma motocicleta também da Polícia Militar que trafegava em alta velocidade também sobre a calçada e um carro da PM que cuidava da segurança em frente ao prédio do Jockey Club.

– Boa tarde. O que está havendo aí?

– Não sei não, senhor. Sei que o prefeito e o governador estão aí – foi o que me disse um dos policiais.

Eu que tanto critico, e com veemência, essa deduragem explícita fomentada pelos meios de comunicação, vi-me, ali, celular em punho, fotografando a bandalheira: depois de perceber um helicóptero pousando no alto do Tribunal de Justiça, que fica exatamente em frente ao Jockey Club (imaginei ser o governador Sérgio Cabral ou o prefeito Eduardo Paes), depois de contar mais de 10 carros parados sobre a calçada de pedras portuguesas da avenida Antônio Carlos, depois de contar 8 policiais destacados para a segurança do troço todo, depois de provocar um guarda municipal que, evidentemente, nada fez – “não vai multar os carros?” -, fotografei.

calçada em frente ao Jockey Club, avenida Antônio Carlos, Centro do Rio de Janeiro

Publiquei a foto no TWITPIC (aqui) e me dei por satisfeito.

Ocorre que hoje, lendo os jornais, tomando ciência do ocorrido, ontem, com os trens da SUPERVIA – leiam aqui – ocorreu-me a pergunta: quem são os vândalos?

Simples consulta ao dicionário:

“adjetivo e substantivo masculino

2 Derivação: sentido figurado.

que ou aquele que estraga ou destrói bens públicos, coisas belas, valiosas, históricas etc.

Exs.: destruíram o ônibus num ataque v.

um grupo de v. atacou a igreja

3 Derivação: sentido figurado.

que ou aquele que não tem cuidado, esmero, tudo estraga

Exs.: um método v. de podar árvores

arranjei um v. como dentista

4 Derivação: por extensão de sentido.

que ou aquele cuja ação ou omissão traz prejuízo à civilização, à arte, à cultura

Exs.: política educacional v.

o ministro foi um v. ao cortar as verbas da cultura”

Antes de prosseguir: lembrei-me do texto que publiquei em 18 de dezembro de 2009 sobre o METRÔ que, como a SUPERVIA, presta um péssimo serviço aos cidadãos do Rio de Janeiro (leiam aqui). Disse eu, lá:

“Enquanto a população não for efetivamente mais firme (não vou defender aqui a destruição absoluta de todas as estações e um quebra-quebra sem precedentes na sede da empresa, na avenida Presidente Vargas, sob pena de ser acusado de incitar a desordem e o vandalismo) a sacanagem dos porcos que comandam o consórcio responsável pelo serviço metroviário na cidade do Rio de Janeiro vai continuar.

(…)

À moda babaca que pendura lençol branco na janela pedindo paz, que combina abraço à Lagoa pra sei-lá-o-quê, a população propôs um boicote ao metrô no final de novembro – como se fosse possível, pra grande parte dessa mesma população, recorrer a outro meio de transporte, ainda que por um dia. Não deu em nada, é evidente (só um beócio acreditou no êxito da medida). Medida babaca que – alguém duvida disso? – deve ter feito os poderosos gargalharem entre baforadas de charuto e apalpar de bolsos abarrotados de dinheiro.

Ou radicaliza-se ou vai ficar tudo como está.

Pau na canalha!”

Diz o jornal, sobre ontem:

“A SuperVia informou que vai registrar queixa na delegacia, nesta sexta-feira, contra os passageiros que participaram de atos de vandalismo nesta quinta na estação de Saracuruna. A imagem de um homem, ainda não identificado, ateando fogo em um vagão foi divulgada e poderá ajudar na identificação. A sequência de atos de vandalismo foi detonada por defeitos em dois trens. Passageiros revoltados quebraram bancos, placas, lixeiras, depredaram um trem enguiçado e incendiaram um dos vagões do outro.

(…)

O tumulto começou às 6h, quando um trem que seguia de Saracuruna para a Central enguiçou. Meia hora depois, os passageiros foram levados para outra composição, que também parou. As pessoas tiveram que caminhar pelos trilhos.”

A população do Rio de Janeiro, paciente demais pro meu gosto, passiva demais pro meu gosto, levou foi muito tempo para reagir à altura contra a canalha que nos governa (e fez pouco). Vândalos – os que destróem bens públicos e históricos, aqueles cuja ação ou omissão traz prejuízo à civilização, à arte e à cultura – são os políticos que não estão nem aí para o bem-estar da população. Pra ficarmos no Rio de Janeiro, vândalo é César Maia, autor daquele elefante branco na Barra da Tijuca que engordou a conta bancária de muito filho da puta. Vândalo é Eduardo Paes que faz do choque de ordem a muralha que pretende esconder a vergonha que é o asfalto da cidade, as calçadas da cidade, os ônibus da cidade, e digo desde já que essas blitzes-pra-imprensa que lacram um ou outro meio de transporte (seja táxi ou ônibus) não vão dar em nada. Há que se ter coragem para a cassação de licenças, para – por que não?! – o encampamento das linhas que tratam o passageiro como gado (saudades de Leonel Brizola…). Vândalo é Sergio Cabral que não tem pulso firme com o METRÔ, com a SUPERVIA, com a BARCAS S.A., concessionárias que tratam os usuários como lixo. Vândalo é Jorge Picciani, presidente da ALERJ, que – para dizer o mínimo – emprega uma rainha de bateria qualquer às custas do contribuinte e que, há até pouco tempo, era investigado por conta de trabalho escravo em suas fazendas. Daí Paulo Maluf é dado como caçado pela INTERPOL, um dos filhotes de José Sarney tem conta bloqueada pelo governo da Suíça (depósitos da ordem de US$ 13 milhões), rastreada a pedido do Judiciário brasileiro, e vamos vivendo assim, achando tudo muito normal.

Há que se radicalizar.

A população que ontem protagonizou o quebra-quebra não agiu como vândalo (existe “vândala”?). A população reagiu e reagiu na exata medida de sua possibilidade. Tire um dos poderosos de seu carro oficial, cercado de batedores, de seu helicóptero, de seu jatinho, e veja como reagirá o canalha dentro de um transporte público por dias e dias seguidos. A população reagiu – repito – e dessa reação, em cadeia (tomara, tomara, tomara!), sobrevirá, seguramente, mais respeito.

Pau na canalha.

E seremos um lugar melhor pra se viver. Somos um país-bebê, com pouco mais de 500 anos. Creio nisso. E na força do povo.

Até.

6 Comentários

Arquivado em política, Rio de Janeiro

>DO DOSADOR

>

* Quero fazer uma confissão: NUNCA (com a ênfase szegeriana) – eu disse NUNCA! – pousei meus olhos (feíssimos, um deles com ptose palpebral) na tela da TV para assistir ao BBB, essa praga que a TV GLOBO, com o auxílio de Pedro Bial (que papel…, que papel…), exibe há anos. Ontem, enquanto esperava para assistir Vasco e Americano, vi um bocadinho do programa. Um dos “brothers” – é como o apresentador-tricolor chama os que ficam confinados na “casa” (tratada como entidade a ser almejada pelos milhões de imbecis que querem participar do troço) – dava, diante das câmeras, um ataque, um piti, um chilique, um faniquito que vou lhes contar: nojento. Dicesar, é o nome do sujeito – nada como o GOOGLE. Uma rápida pesquisa foi o bastante pra descobrir que o dito-cujo é o único representante gay da atual versão do programa; e que, num repetitivo papel de vítima, chamou, recentemente, um dos participantes do BBB de “nojento, grosseiro e insuportável”. Agora… (eis o que enche o saco)… se alguém se refere ao protagonista do ataque histérico como… isso-deixa-para-lá…, já viram… Tsc;

* sobre o jogo… não, não, sobre o Campeonato Carioca. Com preços proibitivos, com times participantes pífios, com transmissão pela TV, a fórmula está gasta, sem graça e os jogos são soníferos. Quero crer que, pela primeira vez na vida, depois de tantos anos defendendo a realização de campeonatos regionais, torço para que tenhamos um único campeonato de futebol no Brasil. O Campeonato Brasileiro. Com um calendário decente, regulamento decente, sem virada de mesa e mais que tais. A única coisa que tem movido o torcedor (e não apenas no Rio, mas no Brasil inteiro) é o tropeço do adversário diante de um nanico;

* sensacional a sacada de Felipe Quintans. Chalitando o EGO DO BUTECO, uma das seções de maior sucesso do BUTECO, e lançando a série MODA DE BOTEQUIM em seu BOEMIA E NOSTALGIA (vejam aqui), Felipinho marca, na minha humílima opinião, um gol de placa. Além de exibir e criticar as frescuradas do mais-que-podre caderno ELA do jornal O GLOBO, encartado aos sábados e editado pela chalita Ana Cristina Reis (que, mais ousadamente que Roberto Chalita, plagiou o NEW YORK TIMES), o pequeno grande homem, ídolo em Campinas, ainda lança luzes sobre gente simples que dá ainda mais graça a esta cidade tão sacaneada pela imprensa;

* o SEGUNDO CADERNO de O GLOBO de hoje festeja Renato Russo: justificável, afinal o cara foi – para infelicidade de uma geração – ídolo à sua época. Sobre o tema, fecho com Luiz Antonio Simas: para a música brasileira, frise-se, não faz falta nenhuma. Leiam aqui;

* ainda não assisti ao DVD, mas recomendo vivamente. Fabiana Cozza é uma de minhas cantoras preferidas (tarefa sempre inglória nesse Brasil tão farto na matéria), no topo do pódio. Seu DVD está à venda aqui;

* e pra encerrar: dia desses eu lhes disse que o PSOL não é um partido político, é uma pinacoteca. Só tem quadros, quadros e mais quadros. Descobri, graças ao TWITTER, que os simpatizantes do PSOL também gostam, e muitíssimo, de um mobiliário. Além dos quadros, são fãs confessos de mesas. Um dos militantes não passa um único dia sem anunciar mesas e mais mesas espalhadas por aí. Compondo o cômodo, além de quadros e mesas, uma lata de lixo seria ideal.

Até.

10 Comentários

Arquivado em Uncategorized

>BELMONTE: AGORA A QUILO?

>

Acabo de saber, muito por alto, lendo a troca de mensagens entre Janir Junior, irmão de meu irmão Luiz Antonio Simas e excepcional repórter de O DIA, e Marcelo Moutinho, que o conglomerado que atende pelo nome de BELMONTE (esse lixo que rima com desmonte), agora embarcará na onda da comida a quilo (é quase inacreditável). Quem me lê sabe o quanto eu combato essa praga comandada pela – dizem – máfia espanhola por um grupelho especulador que vive de comprar botequins tradicionais para transformá-los, depois, em redes-bestas de botequim grifado: basta dar uma xeretada aqui nos resultados de pesquisa do GOOGLE envolvendo o tema no balcão do BUTECO. Gostaria de saber, muitíssimo, a opinião do compositor que há anos, na contramão do caminho que trilho por aqui, defende com unhas e dentes esse lixo tantas vezes adulado pela imprensa meia-boca que trabalha na base do jabá. No mesmo cesto de lixo no qual lanço o BELMONTE, amasso também, e relego à súcias dos bares-de-merda que atentam contra a cidade, o ANTONIO´S, o BOTECO DA GARRAFA, a CASA BRASIL, o BOTECO CEVADA e o W GOURMET (a mais recente praga, que vende comida a quilo com direito [nojo!] a buffet japonês). Já, já, tomem nota, as colunetas dos jornais estarão sabujando e incensando essa bosta, que fica em Copacabana. E o compositor – a conferir – festejando mais um êxito de seu compadre (o testa-de-ferro do troço), quem sabe tentando emplacar a porcaria no próximo vade-mécum de otário. Aguardemos.

Até.

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

>PAULO MALUF E SEU FILHOTE

>

Escrevo hoje, não como o advogado que sou – até mesmo porque não milito na área criminal, da qual conheço pouquíssimo. Escrevo como um cidadão exasperado diante da notícia que me causa muito mais que indignação, me causa revolta e um profundo nojo. Leio, estarrecido, nos jornais, que Paulo Maluf está na lista negra (vermelha, na verdade) da INTERPOL. Vejo, aqui, a fuça desse ladrão que, inacreditável e inconcebivelmente, é deputado federal pelo estado de São Paulo, exposta no site da polícia internacional, e aqui a fuça de seu filho, Flavio Maluf.

A INTERPOL, com 188 países membros – 4 a menos que a ONU! – está PROCURANDO Paulo Maluf e Flavio Maluf, o que significa dizer que se qualquer um dos dois puser as patas sujas em qualquer um desses 188 países serão presos.

Mas aqui, não. Aqui desfilam na Câmara dos Deputados (“a casa de todos os brasileiros”, conforme anuncia o portal (vejam aqui) e não são incomodados pela Justiça sabe-se lá o por quê (eis aí minha confissão pública de ignorância com relação ao assunto). Adendo: leio, aqui, o que pode explicar essa vergonha: “A Justiça Federal extinguiu a punibilidade do ex-prefeito Paulo Maluf (PP) em ação penal por crime de evasão de divisas. Por ter mais de 70 anos, Maluf foi beneficiado por lei brasileira que reduz pela metade o tempo em que alguém pode ser processado. A denúncia havia sido feita pelo Ministério Público Federal em outubro do ano passado. Com a decisão, o processo será arquivado. O ex-prefeito e seus familiares são réus em outro processo, por formação de quadrilha, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Esta ação não sofre prejuízo por conta do arquivamento do processo por evasão de divisas.”.

Assassino elegante (quantas vidas ceifou desviando mais de 500 milhões de dólares dos cofres públicos?????), um dos símbolos máximos da bandidagem do colarinho branco, filhote da ditadura (como bem dizia meu saudoso e eterno governador, Leonel de Moura Brizola), Paulo Maluf solto é um escárnio que me faz, por alguns instantes, desacreditar no Brasil.

Até.

14 Comentários

Arquivado em Uncategorized