Arquivo do mês: agosto 2008

>ONTEM, NA MATOSO

>

Como eu já havia lhes contado aqui, aqui e aqui, fomos ontem – eu, meu velho e amado pai e meu queridíssimo Felipinho Cereal – passear, com ares de desbravadores, na rua do Matoso, a fim de preparar RUA DO MATOSO – A SÉRIE. Como previsto, fizemos apenas – eu diria – um quarto da rua. Mas foi um começo fabuloso. Fabuloso, emocionante, surpreendente e gratificante.

apontamentos durante passeio à rua do Matoso, na Tijuca, em 29 de agosto de 2008

Fotografando tudo, de tudo tomando nota, conversando muito com muita gente, tivemos – os três – uma grande manhã de sábado!

Até.

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em Uncategorized

>INACREDITÁVEL

>

Eu havia prometido a mim mesmo JAMAIS voltar a tocar no assunto. Seguindo, talvez, conselho de meu queridíssimo amigo, Luiz Antonio Simas, de não acender muita vela pra pouco defunto. Mas o cara é insuperável (e insuportável).

nota publicada no SEGUNDO CADERNO do jornal O GLOBO de 30 de agosto de 2008

A livraria do meu coração (onde aconteceu o “lançamendo” – sic – do dito livro) NÃO fica na rua do Rosário.

Pra dizer (apenas) o mínimo.

Até.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

>A PROMESSA DE MEU PAI

>

Meus poucos mas fiéis leitores, quero dizer a vocês que o coração saltou-me à boca quando li o comentário abaixo, feito no texto QUITANDA ABRONHENSE, leiam aqui.

comentário de meu pai no BUTECO DO EDU, em 29 de agosto de 2008

Marquei com o Felipinho Cereal às oito e meia da manhã na gloriosa PADARIA MILU, na esquina da Haddock Lobo com a Matoso. Se meu pai aparecer por lá, não sei, não, eu acho que eu morro de emoção. Eu, um homem às vésperas dos quarenta anos, que tenho meu pai como ídolo até hoje, acho que não agüento o tranco.

Vá, meu velho.

O passeio há de ser lindo, meu pai. E se eu morrer durante nosso périplo, querido, hei de morrer feliz entre as pedras de uma rua que eu amei intensamente depois de aprender a amá-la, antes mesmo de conhecê-la, muito por conta das histórias que você me contou ao longo da vida.

Até.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

>O MATOSO QUE DÁ NOME À RUA

>

Meu dileto amigo e vizinho, com quem divido a paixão pela Tijuca e adjacências, arredores que nos encantam a alma, o queridíssimo Felipinho Cereal, o bardo da Barão de Sertório que conhece a Tijuca como às mais invisíveis ranhuras da palma de sua minúscula mão, e que a partir de amanhã explorará, comigo, a rua do Matoso (como lhes contei aqui), nos dá, hoje, mais uma lição em seu BOEMIA & NOSTALGIA. Revela-nos, o Felipinho, quem foi Eusébio de Queirós Coutinho Matoso da Câmara, que deu nome à rua do Matoso, alvo de nossa expedição de amanhã (não vejo a hora!, não vejo a hora!), que dará início à saga RUA DO MATOSO – A SÉRIE. Leiam aqui.

Até.

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

>AINDA O SAMBA DO SIMAS E DO MUSSA – II

>

Eu escrevi, em 04 de agosto de 2008, ESSE É MEU SAMBA (leiam aqui). Em 06 de agosto, escrevi AINDA O SAMBA DO SIMAS E DO MUSSA (leiam aqui). Ambos os textos – a dedução, até pra quem não leu os textos indicados, é óbvia – exaltam o samba que concorre ao direito de representar o SALGUEIRO na avenida em 2009, de autoria de dois craques na matéria: Luiz Antonio Simas e Beto Mussa. No mesmo 04 de agosto, meu mano Bruno Ribeiro, de quem tenho olímpica saudade, escreveu FESTA NA ALDEIA, sobre o mesmo tema (leiam aqui). Anteontem, 27 de agosto, voltou a bater no mesmo tambor (ou na mesma tecla, como queiram), quando escreveu RAPIDINHAS (leiam aqui). E antes de nós dois, em primeiro de agosto, foi Marcelo Moutinho quem incensou o mesmíssimo samba em PÕE NA RODA O TAMBOZEIRO (leiam aqui).

O fato é que, como o ressoar de um tambor poderoso, a força do samba do Simas e do Mussa vem crescendo de forma impressionante, fazendo com que a gente (principalmente nós, salgueirenses) sonhe com a concretização do que cantamos há anos: o SALGUEIRO não é melhor nem pior, é apenas uma escola diferente. E por ser diferente terá coragem de escolher um samba que é a antítese do boi-com-abóbora que escorre do Canal do Mangue à Praça da Apoteose há muitos e muitos anos.

Um grande indício que faz crescer essa esperança está no site FONOGRAMAS – GALERIA DO SAMBA, que armazena “sambas concorrentes de todos os tempos”, como o próprio site anuncia em sua página principal.

Até o presente momento, é o samba mais ouvido do site, com mais de 1.650 audições – confira aqui.

Com a licença do Simas… axé!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

EXTRA! EXTRA! EXTRA!

O projeto mora em mim há anos. Mas foi jogando conversa fora no balcão do Buteco hoje pela manhã, com meu queridíssimo Felipinho Cereal (vejam aqui), que o troço ganhou corpo. E vai virar realidade. No sábado, às oito e meia da manhã, encontro-me com o bardo da Barão de Sertório na Padaria Milu para dali seguirmos em direção à Praça da Bandeira. De lá, finalmente!, finalmente!, finalmente!, daremos início ao percurso, lento e sem pressa, de toda a extensão da rua do Matoso. Assim que chegarmos à rua Barão de Itapagipe, outro extremo da gloriosa rua, começo a publicar, aqui no Buteco, a série dedicada a essa grande rua tijucana. Antes, porém, vou lançando, por aqui, o making-off de nossa aventura. Rua do Matoso – a série, promete!

Até.

Deixe um comentário

Arquivado em gente, Rio de Janeiro, Tijuca

QUITANDA ABRONHENSE

Ontem, quando me dirigia para o ponto do glorioso 406A, ônibus que me leva diariamente para o trabalho, parei diante da não menos gloriosa QUITANDA ABRONHENSE, na rua do Matoso, e encomendei, na hora, com a simplicidade só possível ao comércio de rua, meia-dúzia de côcos para serem entregues em minha casa. Paguei, deixei um trocado pro rapaz que faria a entrega, ele foi, voltou, e eu ainda estava esperando a condução, pensando no que vou lhes contar agora. Um detalhe, antes: não foi o ônibus que demorou, é que eu moro ali do lado!!!!!

Quanto mais o tempo passa (aproximo-me dos quarenta…) mais uma certeza crava-se em mim. O homem, para ser feliz, para ser plenamente feliz, para ao menos experimentar a sensação da felicidade, acompanhada de uma sensação de conforto, de integridade (prestem atenção à palavra), precisa ter olhos de ver, e olhos de ver mais além. Só assim, meus poucos mas fiéis leitores, o homem conseguirá integrar-se ao meio em que vive – e dessa integração é que nascerá (vou explicando, vou explicando) sua sensação de plenitude.

Vejam bem.

É bem verdade que eu já falei sobre isso, aqui mesmo no BUTECO, de outras maneiras, seguramente, quando falei sobre a beleza que mora na simplicidade das coisas da vida, quando sugeri passeios pela Tijuca etc (não estou disposto a me estender para não perder o fio da meada). Mas quero ser, hoje, mais direto.

O homem que procura, diária e constantemente, estar integrado ao meio em que vive (e refiro-me, especificamente, ao lugar em que moramos), é infinitamente mais feliz do que aquele que se isola ou que, mesmo não buscando o isolamento, não estende o olhar à sua volta, à sua frente, não busca entendimento com as pessoas e com as coisas que fazem parte do cenário do dia-a-dia. Vou ser mais claro.

O morador da Haddock Lobo, por exemplo, tem diversas opções em termos de supermercado (a pé, apenas): o REDE ECONOMIA, o PÃO DE AÇUCAR, o MUNDIAL. Conheço os três, vou sempre aos três conforme a conveniência de minha compra, e tenho por hábito cumprimentar os seguranças, as caixas, os empacotadores, os locutores (há locutores nos mercados da Tijuca!), todos, enfim. Mas é preciso que haja olhos para o pequeno comércio, similar, de rua. Infinitamente mais caro, é verdade, eles merecem nossa atenção pelo que de humano podem oferecer no trato com você. O dono, a dona, geralmente te chamam de “freguês”, tem sempre um sorriso a postos, tem produtos, as mais das vezes, mais frescos, mais bem selecionados e – batata, batata! – uma boa história na ponta da língua pra contar. Tem, conseqüentemente, o que ensinar a você.

Ali, na minha área (essa que você pode ver no mapa abaixo), que acaba de perder o AÇOUGUE RECREIO, como bem apontou meu queridíssimo Felipinho Ceral em seu blog, o BOEMIA E NOSTALGIA (o texto a que me refiro pode ser lido aqui), há de tudo um pouco, e cada visita (ainda que para nada, apenas para um simples “olá, como vai?”), cada aceno, me dá essa sensação de integração tão fundamental para a nossa contextualização dentro do mundo, do continente, do país, da cidade, do bairro, da rua.

mapa de trecho da Tijuca

No trecho da Matoso a que me refiro, há uma pastelaria, um salão de beleza, uma casa lotérica, um sapateiro, uma loja tem-de-tudo (como não existe mais!) – colchões, eletromésticos, miudezas, tudo pendurado no teto, entulhado pelo chão, abarrotando a simpática loja! -, duas lojas de produtos veterinários, uma loja de decoração (pisos, tecidos para cortinas etc), algumas lanchonetes, a gloriosa quitanda que dá nome ao texto de hoje, um armarinho, uma loja de automóveis. No trecho em destaque da Haddock Lobo há dois supermercados, três jornaleiros, uma distribuidora de bebidas, dois clubes, um buteco, uma farmácia, dois bancos, duas agências de automóveis, uma oficina mecânica, duas lojas de ferragens, algumas lojas de roupa, uma sapataria, uma papelaria, um motel, uma garagem 24h, uma galeria com intenso comércio, e – tenham isso como certo – conhecer as pessoas que trabalham ali, os donos, tudo isso, engrandece demais a gente.

Você deixa de ser um cartão de crédito ou de débito, ou um consumidor anônimo portando o dinheiro que trocará por mercadoria, para ser gente.

E gente com capacidade de conhecer, conviver e entender gente, é infinitamente mais feliz e mais inteira.

Até.

24 Comentários

Arquivado em Rio de Janeiro, Tijuca