Arquivo do mês: agosto 2005

>CHICO EM PARATY

>


Eu não sei se alguns de vocês já tiveram a capacidade de amar a alguém sem ao menos conhecê-lo. Vou explicar melhor, até mesmo porque eu acho que sim, acho que isso é razoavelmente comum. Você ouve uma história. Se apaixona pelo personagem central. E não sabe ao menos a cor da pele, dos cabelos, não sabe nada sobre ele a não ser o enredo. E conta a tal história aos outros, e conta, e conta mais, e sua admiração vai crescendo, sabem do que estou falando, né? Pois bem. Vou ser mais claro. Antes, quero dizer que na foto está o Chico. Chico Maracanã. Vamos em frente.

Já contei essa história – a história a que me referi – em Volta Redonda. Em São Paulo. Em Natal. Em Cajaíba. Em Amsterdam. Em Roma. Em Ibitipoca. E vou contar aqui, agora. Mas notem bem que contei muito a história. Muito.

O Estephanio´s promoveu, determinada época, um concurso de litragem. Controlávamos o que cada cliente bebia, atribuíamos pontos ao chope, à capirinha, à cachaça, ao uísque, e no final do mês o campeão ganhava o prêmio: bebia no dia cinco do mês seguinte por conta da casa. Eis que o Chico, o da foto, no último dia do mês, passa pelo Estephanio´s e descobre que está a poucos pontos do primeiro colocado. Entra. Senta. E bebe 32 chopes. Vou escrever por extenso. Trinta e dois chopes. Alcança a liderança e se sagra o campeão do mês. Mal consegue falar pra pedir a conta. Erasmo tenta demovê-lo da idéia de ir pra casa de carro. De certa forma o Erasmo tem êxito, já que o Chico não foi pra casa. Chico está com o diabo no corpo e sai. E cai no Rio Maracanã (vejam que obedeceu ao Erasmo). O carro, capotado, com as rodinhas pra cima. E o Chico abre a janela, vê o carro se transformar num aquário – tem o cuidado de desligar o rádio “pra não dar curto” – e fica de pé à espera de socorro. E chegam os Bombeiros. “Tudo bem, amigo?”.

“Tudo ótimo, vermelhão! Me traz um chope, por favor! Sou o campeão do mês, porra!”.

E foi resgatado, o Chico, levado ao Estephanio´s de volta, bebeu mais uns por conta da casa, pegou uma camisa emprestada com o Erasmo e voltou a pé pra casa.

Vejam bem. Contei muito essa história. Confirmem, Szegeri, Betinha, Zé Sérgio, Guerreira. Jamais disse o nome do santo pois não me lembrava nunca. E agora dá-me um orgulho absurdo e tijucano de poder dizer “eu conheço o malandro!”. Vejam. Eu nunca lhe disse o nome porque sou preciso do início ao fim, e não mentiria num detalhe tão pequeno.

E no ônibus, a caminho de Paraty, chega o Branco com o Chico ao lado e me apresenta o cara. Caí em prantos (já estava na décima nona latinha, é verdade). Pedi autógrafo, pedi pra tirar foto, um vexame. Mas eu estava diante do mito.

E o sujeito é, é mesmo, uma piada bípede. Praia no sábado. Marquinhos tira a camisa e fica ali, com aquele shortão gigantesco, aquela pela alva que jamais viu sol. E grita o Chico: “Puta merda, Marquinhos… lindo esse teu bronzeado-palmito!”. Até a dona da barraca de cerveja guinchou do balcão. Noutro lance de gênio – vou omitir seu nome – uma menina se queixa, na praia, de que seus pés são feios. Chico vem de quatro, engatinhando, do outro lado da mesa com guardanapos na mão. Estaca diante da moça e passa a limpar seus pés, cheios de areia, com os guardanapos diante dos olhares incrédulos. Limpos, os pés, Chico os enterrou na boca, até quase a altura do tornozelo e depois disse: “Lindos. Seus pés são lindos. E deliciosos.”. E foi ao mar, de quatro, pra de lá gritar: “Foi mal aí… precisei entrar na água fria pra não ficar com vergonha diante de vocês…”, e disse isso coçando, acintosamente, o saco.

Um gênio da raça.

Até.

PS: quero erguer, do Buteco, o copo imaginário, pra agradecer à assistência, que fez com que estejamos, já, com mais de 15.000 visitas, como muito bem lembrado pelo Zé Sérgio, um louco, seguramente, uma espécie de, vamos dizer assim por enquanto, corretor de imóveis.

Posted by Picasa

Anúncios

27 Comentários

Arquivado em Uncategorized

>FUMAÇA EM PARATY

>


Acho que lhes contei, quando dos relatos sobre a viagem à Europa, que a Fumaça, dono desse sorriso que é permanente – poucas vezes estive diante de alguém que sorri como quem respira – diante do Coliseu, em Roma, chorou de fome.

Vejam bem. Eu, que sou preciso do início ao fim, não estou exagerando. A Fumaça, advogada, bem sucedida, bem alimentada, comportou-se diante do Coliseu como um cristão prestes a ser entregue aos leões. Ajoelhou-se diante da imponente construção, pôs as mãos nas orelhas, o queijo no meio das coxas e guinchou de fazer parar a assistência dos turistas que, imediatamente, desviaram as objetivas que buscavam os melhores ângulos da obra de Vespasiano e Tito em direção à Fumaça, que gritava, em português, em italiano e em inglês, “Gente, desculpa, mas eu estou com fome”. Estou contando isso porque fato similar ocorreu em Paraty.

Estávamos eu, Dani, Guerreira, Marcy e Fumaça passeando pelo centro histórico em busca de um bom restaurante. E a busca começou justamente quando a Fumaça, sem chorar, é verdade, disse, “Gente, estou com fome”. Como eu, Dani e Guerreira estávamos em Roma naquela oportunidade, temendo o pior em Paraty, iniciamos a procura de um restaurante. E estacamos diante do Bartholomeu. E entramos.

É preciso dizer que no instante em que pisamos no restaurante o sorriso da Fumaça quase rasgou seus lábios, tamanha sua satisfação. E fomos ao cardápio.

Eu de tapa de cuadril, que o restaurante era de argentinos. Dani, Guerreira e Marcy optaram por dividir uma moqueca. E a Fumaça foi de ravioli.

Pequena pausa. A Fumaça é uma farofeira na melhor acepção da palavra. Não estou a falar dos hábitos tijucanos, que os tijucanos são farofeiros olímpicos no que a palavra tem de pejorativo. A Fumaça, não. A Fumaça adora mesmo é uma farofa, e uma farofa crocante, como pontua sempre.

E eis que os pratos vieram à mesa. E a Fumaça, tadinha, repetindo o gesto de Roma, cai no chão do restaurante, fica de joelhos, tapa os ouvidos com as mãos em concha, leva o queixo às coxas e urra de dor. “O que foi agora, Fumaça?”, disse a Guerreira gargalhando. E a frase lapidar dita entre soluços: “Se eu soubesse que na moqueca vinha farofa não teria pedido esse ravioli”. E houve mais, houve mais! As meninas, com peninha da Fumacinha, lhe passaram a cumbuquinha de farofa. E eis a cena antológica que transformou seu pranto em sorriso: a Fumaça, rasgando as regras de etiqueta e as normas básicas da boa gastronomia, salpicou a farofa sobre o ravioli como se fosse queijo ralado e quando o garçom, percebendo sua eufórica performance, perguntou “Está bom o ravioli, senhora?”, a Fumaça de voleio mandou “Não sei. A farofa está ótima”.

Houve mais, houve ainda mais. Vejam isso. A Fumaça, na volta ao Rio, veio com uma garrafa de “Lua Cheia” entre as mãos. Exatamente como um bebê com sua mamadeira. Era alguém pedir um golinho e ela muxoxando… “Devolve, por favor… tô com sede…”, e de fato bebeu, a Fumaça, quase que a garrafa inteira.

Notem que a Fumaça exerce suas necessidades – fome e sede – com uma fúria da Etiópia. O que, somado ao permanente sorriso, faz dela uma companhia indizível.

Até.

Posted by Picasa

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

GUERREIRA EM PARATY

Na foto, a elegância suprema da Guerreira, de quem papai é fã número um. “Uma elegante, eu gosto da Guerreira”, repete papai sem cansar. E de fato é, a Guerreira, uma européia, uma elegante, e falando sobre Paraty durante toda essa semana que começa hoje, quero tentar, ainda que minimamente, derrubar esse mito que transforma a Guerreira numa incapaz de qualquer gesto, digamos, mais baixo. Vamos aos fatos.

Partiu o ônibus do Rio na sexta-feira às oito da noite. Eu, Dani, Fefê, Brinco, Dedeco, a namorada (cujo nome jamais vou dizer), Branco, João, Chico Maracanã, Aranha, Manguaça, Fernanda, Fumaça, Guerreira, Marquinho, Cicinho, e éramos quase quarenta seres humanos com sede de cana, que o festival é de pinga e é por ela que fomos todos. O ônibus, politicamente incorreto, era um fog de fumaça de cigarro e tinha, num par de poltronas, um isopor cheio de cerveja e gelo. Bebemos olimpicamente no trajeto a Paraty.

E lá chegando, tomamos cada um o rumo de seu quarto.

Nesse instante é preciso dizer que a Guerreira já chegou a um passo de galopar. “Estou bebinha”, é o que repetia a Guerreira, e notem que nessa frase reside um pouco de sua elegância. E fomos à cidade.

E sentamos num buteco e prosseguimos os trabalhos. Coisa de duas da manhã, decidimos, eu, Dani, Guerreira e Fumaça, voltar à pousada.

E a Guerreira disse: “Gente, vamos ficar bebendo aqui fora… quero esperar a Marcy…”.

A Marcy, amiga de SP, partira em direção a Paraty, onde chegaria às três da manhã.

E chega a Marcy. E a Guerreira, trôpega, mas cavalgando com aqueles pernões longos, pendura-se na Marcy e grita “Ôba, que bom que você chegou…”, mas esse “ôba, que bom que você chegou” foi dito de forma ininteligível, lentamente, ela babando no ombro da Marcy, que, assustada, disse… “Nossa, Lu… você está bem bêbada, heim…”.

E a Guerreira – notem a frase!, notem a frase!: “Pô… intimidade é uma merda… a gente não consegue esconder o porre de uma amiga íntima…”.

E teve mais: voltando ontem, o ônibus, em côro, começou, inexplicavelmente, a cantar os hinos brasileiros. O Nacional, o da Bandeira, o da Indendência. E eis que ecoou no coletivo: “Salve lindo pendão da esperança / Salve símbolo augusto da paz…”.

E a Guerreira, na poltrona de número 1, guinchava, chorava, gritava uns “ai, ai, ai”, e eu fui a ela.

“Ai, Edu… vocês falaram no Augusto… me deu uma saudade dele…”, e seguiu chorando, alagando o ônibus, até o desembarque.

Até.

9 Comentários

Arquivado em gente

>SZEGERI E SEU PÉRIPLO

>

Como já lhes contei, o Szegeri, meu irmão paulista, meu Otto na íntegra, esteve no Rio na segunda-feira passada para participar de mais um Encontro Ordinário da Sociedade Edificante Multicultural dos Prazeres e Rituais Etílicos, a S.E.M.P.R.E., a fim de homenagear nosso irmão em comum que partiu mais cedo, o Toledão. E a vinda e a volta do Szegeri foram uma delícia só, vejam vocês.

Antes uma observação. O Szegeri tomou o avião na segunda, em SP, às oito da noite. E embarcou de volta às cinco e meia da manhã. Congonhas-Galeão-Congonhas. Fui buscá-lo no aeroporto. Ver o Szegeri desembarcar já é um espetáculo, e explico. Desembarcam homens e mulheres com bolsas a tiracolo, mochilas, pastas, malas, pochetes. E o Szegeri sem rigorosamente nada. Só a carteira no bolso traseiro da calça jeans que não vestia há mais de quinze anos, que o Szegeri perdeu quinze quilos.

Daí deixamos o carro em casa e partimos de táxi pra CADEG. Onde o Szegeri – também lhes contei – bebeu por ele e pelo Toledo. Durante o encontro, me fez confissões lindíssimas, que torno públicas, e ele há de me perdoar.

Uma: “Não consigo passar mais uma noite longe da Stê”. Disse isso, chorou, e bateu o telefone pra Stê. Enquanto soluçava ao telefone dizendo coisas como “fala que também não consegue mais dormir sem seu ursão” eu guinchava diante dele e fazia sinais com a mão pedindo o telefone, que me foi passado. A Stê, vejam bem, àquela altura, duas da manhã, também com saudades colossais do meu irmão, respondeu-me que bebia em São Paulo na companhia do Daniel (vim a saber, depois, que é seu sócio no meu bar preferido de Sampa, o Ó do Borogodó). Mantendo minhas tradições de defender meus amigos de forma intensa, disparei um corolário de palavrões de fazer tremer a CADEG. E o meu irmão, à frente, chorando e fazendo que não com o dedo indicador.

Outra: “Depois que emagreci, meu cocô não afunda mais, mas bóia”. Disse isso, chorou de novo e bateu o telefone pra doce Stê. E disse: “Amor, fala pro Edu que o cocôzinho do seu ursão agora bóia”, e passou-me o fone. A Stê, tadinha, apenas ria e dizia, “É verdade, Edu, mas cuida aí do Fernando, ele não me parece bem…”.

E não estava bem, o meu irmão. Aproximando-se a hora de sua partida rumo ao Galeão, abriu o chafariz lacrimal e chorou de empoçar a mesa. E estava, digamos, sem condições sequer de se levantar. O Dalton, um de nossos Confrades, um homem que – é ele quem diz – deixa o Nei Lopes no chinelo quando o assunto é “africanismo”, levou-o até um táxi. E voltou o Dalton, solene e preocupado como o Palocci na recente entrevista coletiva: “Gente, vamos ficar ligando pro Szegeri, ele está péssimo”. E instalou-se o desespero na mesa. O celular do Szegeri urrava, urrava, urrava e nada dele atender. Restou-nos a espera.

E somente na terça-feira, às seis da tarde, ligou-me o Szgeri.

Contou-me que fora acordado, dentro da aeronave, por uma aeromoça: “Senhor… o senhor já perdeu o microônibus que levou os passageiros da pista até a área do desembarque… agora o senhor terá de deixar o avião… o senhor se importa de acompanhar a tripulação?”. E disse ele: “Não. Mas antes me traga uma cerveja, por favor.”. A moça, com pena daquele trapo, serviu-lhe uma latinha de Brahma e foi com ele, de mãos dadas, até o saguão do desembarque.

Szegeri havia deixado seu carro no estacionamento.

Sabendo-se sem condições de dirigir, ainda, sentou-se numa das cadeiras de Congonhas e dormiu por três horas seguidas. Não foi trabalhar. E dormiu, em casa, como que hibernando.

Ainda me fez três perguntas:

“Como eu fui da CADEG pro Galeão?”

“De táxi.”

“Meu Deus… não lembro…. Mas… eu paguei algum vexame durante o Encontro?”

“Nem vexame e nem a conta…”

“Meu Deus… não lembro disso também…”

“Aliás, nem vexame, nem a conta e nem a corrida de táxi, Szegeri. O motorista voltou à CADEG e nos cobrou a corrida…”

“Meu Deus… não lembro…”

Vejam se não é, o Szegeri, como o Vidal, uma lenda.

Bem mais feio, é verdade, mas uma lenda.

Até.

6 Comentários

Arquivado em Uncategorized

ESTEPHANIO´S EM PARATY

Depois de ter deixado de lado, ontem, o humor, pra dizer umas verdades que tornaram-se inapeláveis depois do que foi atestado pelo Jota nos comentários – obrigado, amigo! – deixo o humor de lado, outra vez, dessa vez pra fazer propaganda, sem precisar recorrer aos serviços do Marcos Valério, o papa do negócio no Brasil.

E propaganda que eu faço, eu que sou preciso do início ao fim, é garantida. Vamos a ela.

Na sexta-feira, amanhã, dia 26 de agosto, parte do Estephanio´s, mais um ônibus em direção a Paraty, onde acontece, de sexta a domingo, o XXIII Festival da Pinga. Vejam vocês se não é uma pechinca de fazer até a Duda, uma pão-dura olímpica, urrar de felicidade. Pagando apenas R$300,00 você vai do Rio a Paraty, e volta (se conseguir, é óbvio), hospeda-se numa suntuosa pousada e ainda faz um passeio de saveiro pelas águas verdes de lá. Mas vejam bem, há mais, há mais, e quando eu terminar de dizer o que de mais há (que construção rica…), verei o Zé Sérgio dando guinchos em casa gritando “eu vou, eu vou, eu vou”.

O Dedeco vai.

Isso mereceu um parágrafo pois é um acontecimento. Não é sempre que o embusteiro dá-se assim, tão fácil. E há mais, ainda há mais.

Vai com a namorada.

Vejam bem. O Dedeco, nas excursões dos anos anteriores, voltava estragado, e não era de bebida. Era pelo rodízio que havia em seu quarto, já que valia-se, o mentiroso, dos mais baixos expedientes pra levar as moças pra um delivery em seu apartamento. Com a namorada, a presença do Dedeco é mais-que-um-destaque.

O Marquinho vai. E as chances de vocês verem o Marquinho agindo, vale o ingresso. Beberá como o cossaco que é, levando meia hora pra beber uma latinha, já que bebe e cospe dentro do copo, bebe e cospe dentro do copo, e o troço leva uma eternidade, num espetáculo de asco e pilhéria.

O Branco vai. Imaginem, moças, desfrutar da beleza acachapante na ida e na volta. Aos espadas, vale dizer que o Branco é companhia das melhores, o que faz dos R$300,00 esmola de dar na rua. E há mais, há mais!

Fefê estará lá. Com Brinco. Eu. Com Dani, Sorriso Maracanã.

Restam apenas 10 lugares.

Eu garanto a vocês que o Buteco estará inteiro lá. Indo e vindo. Com todos os relatos devidamente feitos na segunda-feira.

Até.

5 Comentários

Arquivado em Uncategorized

>AGENDA DO SAMBA & CHORO

>

Deixo de lado o humor, apenas por hoje, diante de um troço que, como se diz, está atravessado na garganta. Como sou um obsessivo olímpico, como sou um ardoroso defensor da verdade, como sou um brigador em defesa dos amigos, peço licença a vocês que vêm sempre ao Buteco em busca do riso, pra lhes contar um episódio que, repetindo, ainda está atravessado na garganta, mas que vai, aos poucos, enquanto escrevo, descendo aos trancos e barrancos. E está descendo mesmo, e posso garantir, já neste ponto, que quando eu escrever “até”, no final, como faço sempre, nada mais me importará.

Há um site que se chama Agenda do Samba & Choro. E quero dizer que foi – ainda é, mas bem menos, e por razões que não interessam por ora – um dos maiores responsáveis, ou o maior responsável, pela verdadeira explosão de casas de samba e choro Brasil afora. Quando foi criado, Paulo Neves, seu idealizador, corria algumas casas aqui no Rio de Janeiro com uma filipeta amarela contendo o endereço do site, buscando sua divulgação. E a coisa foi dando certo, e os leitores passaram das dezenas, chegaram a centenas e hoje são milhares os que buscam ali as informações sobre tudo o que acontece no país, em todas as cidades, envolvendo, como diz o nome, o samba e o choro.

Há, no site, uma seção chamada Tribuna Livre. Eu escrevo “livre” e morro de rir. Vou explicar. A Tribuna Livre nada mais é do que uma lista de discussão onde as pessoas trocam informações sobre o assunto. Eu fiz parte da tal lista, e dela fui expulso. Três vezes. Por mau comportamento. E com razão, quero dizer. O Paulo Neves até que suportou demais meu humor ferino. Mas houve outro expulso. O Fernando Toledo. Gênio da raça, o “Girassol” destilava conhecimento e genialidade por ali, e por não suportar o nível rasteiro de algumas discussões, vez por outra descia o pau quando escrevia. Mas sem minhas maldades, preciso confessar de novo. E o que fez o Paulo Neves? Destruindo o adjetivo “livre” da Tribuna, expulsou de lá o bom Toledão. Estou escrevendo isso e sem querer me lembrei do Paulo Francis e da Petrobras.

O Toledão ficou, a princípio, sentido e magoado. Depois, como lhe era peculiar, deixou de dar importância ao fato, embora, vez por outra, Szegeri é testemunha, assacasse o verbo contra o episódio.

Daí veio a morte do Toledão.

E o que houve na Agenda?

Uma homenagem ao Toledo. Com direito a fotografia do Toledo na capa do site. E um texto pondo o Toledão nas alturas. O que fiz eu, brigão por excelência como bem atestou o próprio Fernando no Conexão Irajá? Escrevi uma mensagem lá, assim: “Pena que o Toledo não pode prosseguir com seu humor por aqui, de onde foi covarde e sumariamente expulso”. E o que houve então? Pisando no adjetivo “livre” da Tribuna, já destruído, Paulo Neves varreu de lá meu comentário. E veio o João, assinante também da tal lista, e escreveu um pequeno texto intitulado “Homenagem tardia”. E o que houve então? Pondo fogo no adjetivo “livre” da Tribuna, o Paulo Neves também varreu de lá a coisa.

Eis que foi à Agenda o meu irmão Szegeri, meu Otto full time, e cravou um protesto pela sumária retirada dos textos que atestavam a hipocrisia da homenagem. Como o Szgeri impõe respeito, a coisa está lá até o momento. Reside, ali, então, o meu protesto.

Vejam como eu me conheço. Estou acabando de escrever e já sinto deglutida minha revolta.

Até.

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

>S.E.M.P.R.E. NA CADEG

>


Reuniu-se ontem, com pompa, a Sociedade Edificante Multicultural dos Prazeres e Rituais Etílicos, a S.E.M.P.R.E., no buteco Poleiro do Galeto, na CADEG, em Encontro organizado pelo Flavinho, o Xerife, em homenagem ao grande ser humano que foi – e é, eis que ainda em mim – Fernando Toledo, o “Girassol”, como o chamou o também grande, lato sensu, Fausto Wolff, em artigo comovente no JB por ocasião de sua morte. E eu digo “com pompa” de boca cheia, eis que estava em peso a Confraria: eu, Fefê, Dalton, Vidal, Zé Colméia, Flavinho e Szegeri, na companhia dos convidados Branco e Lara. Vejam que na foto, onde se vê o Branco e o Szegeri, meu Otto full time, o dono de beleza acachapante faz careta na tentativa, vã, de ficar feio.

O Encontrou durou das 21h até 5h30min, quando ainda ficaram por lá Dalton, Flavinho e Branco, que o Branco bebe como um cossaco, e o que é pior, sem dormir dias seguidos. Brindamos à memória do Toledão, que foi saudado quando cantamos “Saindo à Francesa”, “Valsa do Maracanã”, “Três por Acaso”, quando erguemos o copo, dezenas de vezes, ao humor, à graça do convívio e à imortalidade de sua alma que, como eu já disse, permanece dentro daqueles que o amaram em vida.

O Szegeri, vejam vocês, veio de São Paulo exclusivamente para o Encontro. Desembarcou no Galeão às 21h e partiu, de volta, às 5h30min, debaixo de um chôro convulsivo que desabou minutos antes dele se despedir.

E arquitetamos, ali, o Encontro do mês de outubro, que será organizado pelo meu irmão Szegeri, em São Paulo, e quero desde já lhes dizer que a paulicéia há de tremer diante de nossa performance olímpica à mesa.

E pra fechar, percebam como estou cansado e ainda derrubado depois de três dias seguidos de trabalhos etílicos, vejam o que o Branco fez na tentativa, compreensível, de sensibilizar os Confrades, visando sua inscrição no rol da Confraria. Levou uma mala – isso mesmo, uma mala! – de onde saíram garrafas de Quilmes Imperial, uma de Limoncello, latinhas de Stella Artois e uma garrafa de vinho tinto.

O Toledão seguramente ficou orgulhoso. A S.E.M.P.R.E. fez ontem, e graças à escolha do Flavinho, e graças à presença maciça do quadro de Confrades, o melhor e maior Encontro de sua história, já não tão curta.

Até.

Posted by Picasa

9 Comentários

Arquivado em Uncategorized