Arquivo do mês: junho 2017

A TIJUCA E O FONDUE

Escrevi certa vez (há 10 anos, para ser mais preciso): “Não há um único casal de noivos tijucanos – há ainda noivados formalíssimos na Tijuca – que não anseie sofregamente pela panelinha de fondue, que eles chamam, na expectativa de aplacar a cafonice do desejo – e o tiro sai pela culatra – de “aparelho de fondue”.”.

Lembrei-me disso porque hoje, sexta-feira, fomos convidados – eu e a Morena – para um fondue. Preservarei, em tempos de vazamentos constantes de grampos e outros bichos, o nome do anfitrião. É, evidentemente, um tijucano. E essa relação entre o tijucano e o fondue sempre me chamou a atenção e me despertou um agudo interesse.

Basta que os termômetros rompam a marca dos 20 graus e nas ruas da Tijuca já se vê a folia: luvas, gorros, anoraques, meias grossas e felpudas, uma excitação típica das excursões de velhos e velhas a Gramado e Canela. Muda o vestuário, muda o cardápio.

Os restaurantes da região dão início aos festivais de caldos e sopas, queijos e vinhos, e, é claro, de fondues. E como não há tijucano, vivo ou morto, que não tenha em casa sua panelinha de fondue, acaba chegando o dia do inevitável convite de todos os anos.

No meu caso, é hoje.

panelinha de fondue

O anfitrião, é evidente, confirmou o evento depois de consultar o serviço de meteorologia. A previsão para a noite de hoje é de 17°C – para amanhã à noite, 15°C. Isso, pra você que me lê e não é do Rio, para um tijucano, para um zona-norte, é um evento.

Já separei as roupas que usarei hoje à noite e que ganhei da Morena em Curitiba, num final de semana em que enfrentamos menos de 3°C: uma meia de montanhista, meu único par de botas, uma blusa de tecido bem grosso e um casaco mais pesado do que eu e que compramos em Buenos Aires durante um inverno. Meu gorro, é claro, e o cachecol. E sei que com os demais convidados não será diferente: muita lã, muita pele de lontra (minha bisavó tinha uma estola lindíssima que minha mãe guarda até hoje num freezer exclusivamente usado para tal), muita expectativa pelo evento.

Para os que não têm a sorte de receber um convite desses, uma dica: no Bar da Pracinha, no Alto da Boa Vista, aqui, eles não apenas servem fondue como oferecem ponchos aos que lá chegam com sede de vinho e frio. É um espetáculo à parte.

Até.

4 Comentários

Arquivado em comida, Tijuca