RISOTTO DE SHITAKE, A RECEITA

Ergo as portas de aço do BUTECO, hoje, pra dividir com vocês a receita de um risotto de shitake que preparei, dia desses, no Alto da Boa Vista, na casa de meus pais, sem qualquer combinação prévia. Estávamos, no sábado, no bazar beneficente de uma associação espiritualista da qual faz parte uma amiga de há séculos de mamãe (vejam aqui o belíssimo trabalho assistencial que fazem lá com idosos carentes) quando eu, que ganhara, há pouco, uma senhora panela de presente, gani em direção à minha menina:

– Eu queria tanto estrear a panela que ganhamos de presente…

Ela sorriu e, em segundos, juntamente com mamãe, que estava conosco, decidiu que jantaríamos no Alto da Boa Vista para que eu pudesse, enfim, usar o brinquedo novo.

Passamos em casa, demos um pulo no QUEIJEIRO DA MUDA (um bom mini-mercado com força nos queijos e frios), mamãe foi generosíssima, como sempre, enchemos a bolsa de palha e partimos, os três, para o Alto.

Tomem nota do que usamos para preparar o risotto de shitake para 4 pessoas (nós três e papai, é claro): 1 colher de sopa de manteiga sem sal, 2 colheres de sopa de óleo de milho, 2 xícaras de arroz arborio, 1 cebola cortada em cubinhos bem pequenos, 1/2 taça de vinho branco seco, 1,5 litros de caldo de carne, 1 bandeja de shitake fresco cortado em tiras não muito finas, 150 gramas de queijo parmigiano reggiano ralado na hora e 2 colheres de sopa de creme de leite fresco.

shitake, foto de Eduardo Goldenberg

Montada a praça (como aprendi com minha queridíssima cunhada), servida a segunda dose de uísque, que irá acompanhar você durante os próximos 25, 30 minutos (a primeira foi durante o preparo dos ingredientes), despeje na panela as 2 colheres de sopa de óleo de milho juntamente com a colher de sopa de manteiga sem sal.

Ligue o fogo médio e espere derreter, mexendo devagarinho, a manteiga.

receita de risotto de shitake, foto de Eduardo Goldenberg

Quando a manteiga derreter, tomando o cuidado de não deixá-la escurecer, é a hora de pôr a cebola picada na panela.

Mexendo sempre, devagar, e valendo-se de uma colher de pau, você também não deverá permitir que ela comece a dourar…

A cebola (e perceba, nesse momento, o perfume na cozinha!) deverá perder seu branco, apenas, ficando transparente…

receita de risotto de shitake, foto de Eduardo Goldenberg

… momento em que você, então, despejará na panela o arroz arborio.

É hora de mexer com ainda mais cuidado, fazendo com que todo o arroz seja envolvido pelo óleo, pelas cebolas, cuidando para não secar.

Pouco depois, regue a panela com o vinho branco e mexa bem, bem devagar, mas isso por alguns poucos minutos, até que os grãos, também, comecem a perder a cor nas pontas.

receita de risotto de shitake, foto de Eduardo Goldenberg

É a hora de começar a pôr, aos pouquinhos, o caldo de carne, mexendo sempre, não deixando – lembre-se disso o tempo todo! – secar. É preciso que fique sempre um creme ligeiramente espesso envolvendo todo o arroz, que nada mais é do que obra do amido contido nos grãos do arborio. Desde que você mexa devagar, cuidando para que o desprendimento do amido seja lento e gradual, tudo vai dar certo!

Faça isso por uns 7, 8 minutos, quando você deverá pôr as tiras de shitake na panela.

receita de risotto de shitake, foto de Eduardo Goldenberg

Mexa devagarinho para não partir as tiras do shitake.

Quando todo ele estiver incorporado ao arroz, o que não deverá levar mais do que 1, 2 minutos no máximo, é a hora de pôr o parmigiano reggiano ralado, mexendo, mexendo, mexendo, certo de que nos aproximamos do final.

receita de risotto de shitake, foto de Eduardo Goldenberg

Totalmente incorporados ao arroz, o shitake e o queijo, é o momento de desligar o fogo, colocar as 2 colheres de creme de leite, mexer bem, e colocar, por fim, mais 1 colher de sopa de manteiga sem sal.

Deixe a panela tampada por uns 5 minutos, um pouquinho mais talvez.

Abra uma garrafa de vinho tinto e prepare-se para a delícia que você preparou. E não se preocupe com a grife de seu vinho… Sabemos todos que há vinhos e vinhos e que um grande vinho pode, de fato, proporcionar uma grande surpresa… Mas muito depende de você, de seu humor e de sua disposição. Na noite a que me refiro, esquecemos de comprar o vinho. Em cima da hora – todos com preguiça de sair… – papai apelou pra padaria do Largo da Usina. Resultado? Comemos o risotto com um Almadém Merlot que não nos aborreceu, em absoluto. Alvo de muito preconceito (por ser um vinho nacional e bastante barato), apresentou-se evidentemente sem a complexidade que têm os grandes vinhos, mas com bastante dignidade.

Bem acompanhado, então…

Sirvam-se!

receita de risotto de shitake, foto de Eduardo Goldenberg

Até.

Anúncios

16 Comentários

Arquivado em comida

16 Respostas para “RISOTTO DE SHITAKE, A RECEITA

  1. >”Não nos aborreceu, em absoluto.Alvo de muito preconceito (por ser um vinho nacional e bastante barato), apresentou-se evidentemente sem a complexidade que têm os grande vinhos, mas com bastante dignidade.”Cáspite! Eduzinho, meu mano,não fode. Sai desse corpo, Renato Machado.Beijo

  2. >Edu,Hoje mesmo vou comprar esses ingredientes em segredo para preparar o prato para minha esposa.Ela é vegetariana(chato isso, mas ela é o meu amor, fazer o que?) e há tempos aguardava uma receita que eu pudesse fazer pra ela.Achei.Abraço,Caio

  3. >Porra, Luiz Antonio… Renato Machado?! Francamente…Vou tentar explicar a você, autor e principal usuário (evidentemente) do Código Simas de Posturas, o que se passou.- Tem vinho?Mamãe pôs as mãos na cabeça:- Não! Nenhum…Papai tirando o corpo fora:- Eu não vou comprar…Eu estava cozinhando e mamãe disse:- Pede na delicatessen do Largo da Usina.Papai:- Que delicatessen, meu Deus?! Só há uma padaria ali.- Serve.Diante da única opção, mamãe disse, desolada:- Vai nos aborrecer… Não fará jus ao prato…E o Merlot, querido, mostrou-se digno.Assim como, dia desses, servi a você umas doses de uísque no bar de casa (que você tentou recusar mas bem que repetiu!), prometo convidá-lo para um risotto acompanhado (ou escoltado, como diria o supra citado) por um Almadém e depois por um superior para que façamos (eu tenho as fichas, eu tenho as fichas!) uma degustação a rigor.Beijo.

  4. >Caio: boa sorte, depois me conte como ficou. Sendo ela vegetariana, não se esqueça de substituir o caldo de carne por um caldo de legumes (e procure uma receita de algum, se você puder, evitando os venenos que atendem pelo nome Knorr, Maggi e congêneres – use-os em último caso, e raramente!). Forte abraço!

  5. >Isso com uma manteiguinha de garrafa fica uma delícia!!!!

  6. >O próximo prato que eu e Bruno faremos, juntamente com o camarão no azeite. E terá muitas fotos, e muito vinho, já que agora possuímos uma super câmera! Beijos.

  7. >Trinta Pratas: é impressionante seu gosto apurado. Da política à gastronomia. Impressionante.Mariane: seja bem chegada, querida. Sei que você chegou antes, mas naquele momento o troço era pessoal demais… se é que você me entende… e não cabia comentário algum!Quando você fizer esta receita, então, me conte como foi. Com fotos e com palavras. Combinado?Beijo grande.

  8. >Le Creuset. Presentaço!

  9. >Foi a melhor explicação que tive sobre o preparo do risoto.

  10. >Estava procurando uma receita com shitake.. ADOREI a receita ainda mais que contém parmigiano reggiano.. um dos meus queijos favoritos!! Vou fazer hoje mesmo!!!! Obrigada pela receita Edu!!

  11. >Andre Luiz: obrigadíssimo!Patricia: passe aqui depois pra contar como foi! Seja bem chegada, um beijo.

  12. >Edu, conheci seu blog ontem, e como bom tijucano, não de nasceça, mas de coração, gostei muito e já está na minha lista de favoritos.Vi essa receita e com certeza será feita em casa, mas me esclareça uma coisa: caldo de carne, 1,5 L. É o caldo de carne em cubinho mesmo? quantos cubinhos para 1,5L? Sou cozinheiro iniciante… por isso a pergunta.AbraçãoBruno

  13. >Bruno: na falta do clássico caldo de carne, caseiro (é trabalhoso mas infinitamente melhor…), use mesmo o de cubinhos. Para 1,5l eu costumo usar 4 cubinhos. Um abração, boa sorte, volte pra contar! E seja bem chegado.

  14. Celma

    Adorei, to fazendo…

  15. Xandão Oliveira

    Edu, dá pra trocar o óleo de milho por azeite? E o creme de leite de lata vai fazer muito feio? Abraços,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s