Arquivo do mês: janeiro 2011

O ASCÂNIO

O Ascânio sofre – é como ele sente o troço – desde que se entende por gente. Desde o colégio que é sempre a mesma lenha. Basta ele dizer o nome – “Meu nome é Ascânio” – e dá-se, até hoje, uma cena: o interlocutor ri, faz uma máscara de espanto, repete o nome em tom de indagação, e isso – é ele mesmo que conta – fez dele um homem reprimidíssimo, vá entender. Ascânio tem 52 anos de idade e herdou do pai a tinturaria que mantém a pleno vapor na região da Praça da Bandeira. Tem seis funcionários, sendo que dois fazem o serviço de coleta e entrega do material a ser lavado. É casado com a Dorotéia, e ele acha, quando pensa no assunto, que escolheu a mulher pelo nome. Queria, vá entender, uma mulher com um nome tão estranho quanto o dele. E o que faz a Dorotéia?

– Porra nenhuma! – é a resposta de sempre, dada a quem pergunta.

Semana passada, voltando da tinturaria, deparou-se com a seguinte cena: a mulher desmaiada no chão. Era, além de tudo, epiléptica. Pensou alto:

– Daqui a pouco a vaca levanta.

Verificou, com nojo, abrindo sem cuidado a boca da coitada, a língua da mulher. Normal. Havia um pouco de baba no tapete, e ele pensou, alto de novo:

– Que nojo.Foi ao banho. Ligou o radinho de pilha, ouviu a resenha esportiva, vestiu o pijama e voltou à sala. Dorotéia na mesma posição.

– Será que morreu? – perguntou em direção ao espelho sobre o bufê.

Deu um chute, de leve, nas pernas da mulher.

Ela grunhiu.

– Levanta, mulher. Tô com fome.

Era mentira que ela não fazia “porra nenhuma”, como ele espalhava aos quatro ventos nas dezenas de bares que freqüentava, todos ali na região. Dorotéia cozinhava bem pra burro. E mantinha uma rotina, com a intenção de agradar o marido por quem tinha – eis a verdade que o sujeito jamais reconhecera – verdadeira adoração: assistia a todos os programas de culinária ao longo da manhã e da tarde a fim de escolher o cardápio do marido, que almoçava e jantava em casa todo santo dia.

Ela grunhiu de novo.

Sobre a mesa ele viu o caderno de receitas mantido pela mulher – um deles – e os ingredientes do suflê de bacalhau que, foi o que ele imaginou, seria feito para o jantar. Foi à cozinha, mandou o louro calar-se – tinham um louro – e viu, sobre a pia, a peça de bacalhau dessalgando. Ficou com a boca cheia d´água. Espiou pela porta, a mulher na mesma posição.

– Chamo ou não chamo a ambulância, louro? – em tom de blague.

O louro, mudo.

Pôs o dedo indicador na água e lambeu o dedo. Pensou no quanto de ódio sentia pela vida modorrenta que levava. Transtornou-se, e nem ele mesmo entendia o porquê de sua inércia diante do corpo inerte da mulher. Foi ao quarto dos fundos. Pegou um do cabides de arame, dos antigos, antes da aquisição das centenas de cabides plásticos, mais modernos, para o próprio negócio. Foi à sala. Olhou bem nos olhos da mulher, abertos, e ela arfava e gemia o nome do marido provocando nele uma sensação inacreditável, entre o prazer e o medo, entre o ódio e a piedade, entre o trauma e a superação. Enforcou a mulher com o arame do cabide e a viu enrubescendo, esbugalhando os olhos, mordendo a própria língua, que foi inchando, e deu tantas voltas no arame do cabide que sentiu ficar por um fio o ato de cortar-lhe o pescoço. Dorotéia morta.

Foi ao quarto. Tirou o pijama e escolher a melhor roupa. Vestido, procurou na gaveta a fotografia que mantinha guardada, de seus pais. Sempre ouvira do pai:

– Tua mãe que escolheu teu nome, Ascânio.

Sentou-se no sofá diante do corpo da mulher. Ficou ali, uns bons minutos, olhando para os pais. Rasgou a fotografia ao meio, a mãe separada do pai depois do gesto do filho. Fez um cone com a metade que trazia o pai. Enterrou a fotografia, enrolada, na boca babada da mulher morta. Achou graça. Gargalhou.

Foi à cozinha. Abriu a geladeira. Serviu-se de uma dose de vinho tinto, desses de garrafão, bebida de todas as refeições, recomendações médicas. Arrotou, foi à sala e arrancou uma folha em branco do caderno de receitas da mulher. Escreveu, sem pressa: “Ascânio é a puta que te pariu”, e meteu o papel no bolso do paletó (estava de paletó).

Voltou à sala e atirou-se, sem titubear, da janela do sexto andar.

Morreu, é evidente.

Mas morreu nos garfos do portão de ferro da portaria. Caiu de bruços, rasgado por quatro dos garfos do portão, perfurado – Ascânio foi ao chão.

Bombeiros serraram o portão, e foi varado por quatro barras de ferro que Ascânio foi pro IML.

A primeira coisa que o legista fez foi verificar os bolsos do infeliz. Leu, em voz alta, o que nem poderia ser chamado de bilhete que estava sujo de sangue no bolso do paletó. Quando leu “Ascânio é a puta que te pariu” teve a impressão, nítida, de que vira o cadáver sorrir.

Deixe um comentário

Arquivado em ficção

VARANDÃO SONORO DOS SÁBADOS

Muito suíngue na manhã desse sábado de sol, arrombando a retina de quem está no Rio. Fala-se em Rio de Janeiro, fala-se em sol, pensa-se em praia. Nada contra a praia, mas eu, do alto de meus 41 anos, acho mais graça, hoje, em curtir um sábado desses na Tijuca, minha aldeia. Cachoeira pra poucos, brotando da Floresta da Tijuca, é sempre minha pedida. E eu, que moro na Haddock Lobo, quase na esquina da Matoso, rasgo a Conde de Bonfim em direção ao alto da Tijuca com Tim Maia, no máximo volume, cantando uma das mais famosas esquinas do bairro onde nasci, onde fui criado e que há de me ver morrer.

4 Comentários

Arquivado em música

O VASCO NÃO PODE EURICAR

(pra meu pai, Isaac, pra Aldir Blanc, Mariana Blanc e Milena Blanc)

Sou, vocês estão cansados de saber, Flamengo há não sei quantas encarnações. Nasci, dessa vez, em 69, em ninho de vascaínos. Vô paterno vascaíno, o velho Oizer (aqui), pai vascaíno, o velho Isaac (que passou pela tristeza de assistir, in loco, à minha conversão, aqui), um irmão que seguiu pela trilha cruzmaltina, amigos mais-que-queridos que dividem a mesma crença, uma comadre que tem ataques apopléticos a cada jogo do time da colina e uma afilhada que tem surtos de ai-meu-Deus a cada derrota. Como se não bastasse, tenho pelo Vasco (e me é evidente que a raiz disso tudo está nas incansáveis tentativas empreitadas por meu pai para me ver vascaíno como ele), intensa admiração (aqui, falo sobre isso). Sou – e já disse isso reiteradas vezes – um homem em estado de profunda admiração diante da torcida cruzmaltina. É, de longe, a mais carioca de todas. A mais cafona – e tenho, pela cafonice, uma atração indizível. E a fase pela qual passa o clube de São Januário (eis o que quero lhes dizer) tem me deixado, saquem a ironia, em estado de profunda preocupação.

Dividi, durante anos, com meus mais-chegados, a indignação por conta da direção do clube, nas mãos sujas do sujo Eurico Miranda. Trocava telefonemas extensos com o Aldir, por exemplo, que tinha ataques de cólera por conta do modus operandi do canalha. Até que, muitos anos depois, muitos anos depois de intenso locupletamento, assume o clube o ídolo Roberto Dinamite.

Por não ser vascaíno, desconheço o que se passa em São Januário. Não sei a quê atribuir a má-fase do Vasco, que ainda não pontuou no Campeonato Carioca de 2011. Sinto, entretanto, o cheiro do enxofre, a proximidade do dedo sujo do ex-dirigente que – quem duvida? – gargalha, com um de seus fétidos charutos entre os dedos, a cada derrota do Vasco da Gama.

É o que queria lhes dizer: solidarizo-me com os vascaínos. Torço pela recuperação do clube, desde que ela não comece no próximo domingo, quando teremos o primeiro Flamengo e Vasco do ano! Torço para ver de novo a cafonalhada em festa, a portuguesada eufórica, Dulce Rosalina balançando suas pulseiras no Orum, meu avô Oizer podendo dizer de novo que o Vasco é “o melhor time do mundo”, e o Roberto Dinamite tendo êxito na condução dessa virada.

Até.

5 Comentários

Arquivado em futebol

AS COISAS MAIS SIMPLES DESSA VIDA

Hoje acordei com o Buba na cabeça, sabe-se lá o por quê. Conheci o Buba em meados do ano 2000, quando eu era sócio de um bar em Vila Isabel e resolvi fazer acontecer um bloco de carnaval – foi quando nasceu o SEGURA PRA NÃO CAIR, que desfilou em 2001 homenageando Noel Rosa, em 2002 com Beth Carvalho, em 2003 com Martinho da Vila, em 2004 com Aldir Blanc e em 2005 com João Bosco. Todos, inclusive o saudoso poeta da Vila, presentes – diga-se. A bateria do bloco era, digo sem modéstia, a melhor dentre todos os blocos da cidade: simplesmente a bateria da G.R.E.S. Unidos de Vila Isabel, sempre sob o comando dos mestres Mug e Mariozinho. Era um troço de maluco aqueles 50, 60, 70 componentes da escola fazendo a cadência daquele modestíssimo bloco de esquina. Pois bem. Logo em 2000 conheci o caboclo (abaixo, na foto comigo, tirada em 15 de novembro de 2010 durante roda de samba no ESTUDANTIL).

Um garoto simples, cativante, ficávamos de papo durante os ensaios (do bloco e da escola), dividíamos cerveja, conheci sua mulher – a Lu -, fomos ao longo do tempo costurando os laços que mantêm as pessoas unidas e em 2003, em dezembro, uma surpresa: Buba aparece no bar com a mulher – o finado ESTEPHANIO´S – e eles dão a notícia de que seríamos, eu e minha menina, padrinhos da filhota que estava pra nascer (aqui, em janeiro de 2005, nós quatro, em nossa casa).

Veio 2004 e a Dhaffiny nasceu em pleno Carnaval. Isso são outros quinhentos, não é o que quero lhes contar hoje.

Um certo dia, era um sábado, estrila meu telefone e era o Buba, convocando a mim e à minha menina para uma cerveja, um almoço, em sua casa. Corria o ano de 2004, ainda.

Eles moravam numa casa, logo na subida do Morro dos Macacos, hoje moram num apartamento em Vila Isabel. Chegamos lá, aquela festa de sempre (depois do quase-perrengue de sempre pra atravessar a “cancela” dos olheiros do tráfico), a festa com as meninas, meu compadre me chama pros fundos do quintal. Carregava uma garrafa de cerveja e dois copos. Serviu a mim, serviu-se, pôs a garrafa no chão e me disse de olhos marejados:

– Compadre, passei na prova da COMLURB, cara! – ele tinha feito, semanas antes, prova para o cargo de gari.

Dei-lhe um abraço, dividi com ele a alegria da conquista e disse, em seguida:

– Vamos brindar com as moças lá na sala, rapaz! É uma grande notícia!

E ele me segurou:

– Não! Não! Ainda não!

– Não?

E disse a frase que me fez quase-morrer, ali (lembro-me que, imediatemente, liguei pra meu mano Szegeri, em São Paulo, pra tomar ar, eis que o homem da barba amazônica é dos que me acalmam quando o bicho da emoção me pega):

– Não! Vou buscar minhas roupas só na segunda-feira. Eu quero chegar em casa vestido, compadre, à caráter! – e danou de rir, de olhos cheios d´água.

Até.

13 Comentários

Arquivado em confissões, gente

UM GESTO DE REBELDIA

Eu, que à certa altura recebi na testa o carimbo de “polemista”, cravado por ninguém mais, ninguém menos, que Aldir Blanc (e olha que o homem entende de polêmica) – complementado por um “dissidente de si mesmo” – acho que fui mais polemista que nunca quando, em setembro de 2000, deixei uma repórter da TV GLOBO com cara de bunda, ao vivo, depois de gritar o nome de Leonel Brizola em resposta a uma pergunta qualquer (revejam o lance aqui).

Pois na madrugada de segunda-feira, em São Paulo, exerci, de novo, minhas habilidades para criar tumulto. Estava eu na casa de amigos, no domingo, quando desabou uma chuva torrencial sobre a cidade que comemora hoje, ao lado de meu velho pai, seu aniversário. Um de meus anfitriões foi taxativo:

– A que horas é teu ônibus?

– Meia-noite e vinte.

– Tente trocar por uma passagem de navio! – fez a blague.

Às 23h30min partimos em direção à rodoviária (ele, gentilíssimo, ofereceu-me a carona). O trajeto, em condições normais, seria feito em no máximo 20 minutos, mas depois da chuva…

Marginal parada. Ruas cheias. Árvores derrubadas. Até que, depois de uma ginástica sobre quatro rodas, fui deixado na rodoviária faltando 10 minutos para o horário marcado para o embarque. Fui ao guichê da empresa, percebi o tumulto diante dele, e perguntei à funcionária sobre a partida do leito:

– Ihhhhh… – foi só o que ela disse, coçando o ouvido com a tampa de uma caneta Bic.

– Algum problema?

– O ônibus das sete ainda nem encostou…

– Previsão, senhora?

– Sem previsão. Mas eu acho, pelo andar da carruagem, que não sai antes das três… – e checou o cerume na tampa da caneta, arrancado com a unha do polegar.

Bufei. E ela disse, simpática:

– O senhor pode esperar em nossa sala vip… – e indicou-me a direção.

A tal da sala vip nada mais é do que um salão gigantesco com muitas cadeiras e uma TV exibindo um troço qualquer, desinteressante. Fui à mocinha no balcão de mármore:

– Tem algo para beber, senhora?

– Não.

– Para comer?

– Não, senhor.

Bufei de novo. Estendi os olhos pro lado de fora e avistei um único quiosque aberto. Uma fila gigantesca diante do caixa. Desisti. Voltei à mocinha:

– Vip a sala, hein?!

– Que bom que o senhor gostou…

Puxei um cigarro e o acendi.

– Não pode fumar aqui, senhor…

Bafejei a fumaça para o alto, fazendo estilo:

– Encher a porra do rio Tietê, pode?

Silêncio.

– Atrasar a viagem do cliente, pode?

– Fumar é que não pode, senhor.

– Mas eu vou fumar.

Sentei-me e, quando apaguei o cigarro no chão (nem sombra de cinzeiro no ambiente), veio um segurança acompanhado da mocinha do balcão. Ele, um mulatão parrudo, disse:

– Senhor, é proibido fumar em ambiente fechado.

– É?

– É.

– Sei. É proibido também deixar um passageiro sem informações precisas sobre o serviço de transporte contratado. Proibido, também, não oferecer acomodações decentes para um atraso que se desenha gigantesco, sem comida, sem bebida.

– Mas, senhor…

Acendi o segundo cigarro. O mulatão:

– Senhor, vou ter de chamar a polícia…

– Pois não. Estou esperando.

Percebi um cara, perto de nós, sorrindo. Ele apontou pro maço que tinha nas mãos e disse:

– Posso?

Eu:

– Deve.

Em coisa de 15, 20 minutos, mais ou menos uma dúzia de pessoas fumava dentro da sala vip (a bem da verdade, anti-vip).

Vem outro elemento em minha direção (mehor dizer em nossa direção, éramos muitos fumando àquela altura):

– Boa noite, senhores. Sou o gerente da 1001… Os senhores não podem fumar aqui dentro, por favor…

– O senhor sabe a que horas eu embarco? – eu disse.

– Ainda não, senhor…

– Então… Algo para beber? Para comer? – outro que também fumava.

– Infelizmente não, senhor…

– Então eu vou fumar de novo! – eu disse.

Já tinha gente gargalhando, e formávamos uma roda de fumantes.

Um abnegado saiu e voltou com um saquinho de pão-de-queijo, que passou a distribuir.

Alguns (poucos, na verdade) protestavam contra aquela fumaça, faziam das mãos leques abanando em direção ao próprio rosto, outros diziam “vamos chamar a polícia”, uma histérica gritou “sou prima do Kassab!”, e eu estava era gostando daquilo ali.

Às duas da manhã, anunciaram meu ônibus. Parti em direção à plataforma. Fui ao balcão (fumando) e me despedi da mocinha. No caminho, cumprimentei e pedi desculpas ao mulatão (que até achou graça) e diante do ônibus o gerente ensaiou uma ameaça:

– Senhor, serei obrigado a comunicar à polícia que o senhor fumou na sala vip, temos os seus dados na passagem…

E eu disse, já entrando no leito:

– Se o senhor insistir com isso fumarei durante a viagem…

Entrei e nem mesmo vi o coletivo sair da rodoviária.

Acordei no Rio, franca e sinceramente, com a sensação do dever cumprido.

Até.

13 Comentários

Arquivado em confissões

>MARIA DE LOURDES E O DELEGADO – V (FINAL)

>

A conversa entre o delegado e Maria de Lourdes foi breve. E foi breve porque Uzeda foi prático. Contou, timtim por timtim, sobre o telefonema que recebera de “uma vizinha”. Disse, com todas as letras, que estava ali apenas para dar uma satisfação ao apelo da senhora que parecera em pânico diante do ocorrido naquela noite na qual os seus patéticos pedidos  – “me chama de assassina!” – assombraram a vizinhança. Disse, mais, que o caso estava encerrado do ponto de vista policial; que não havia prova alguma capaz de fazê-lo reabrir as investigações; que, entretanto, já que ele estava ali, não custava procurar saber o porquê de tão estranho apelo durante a noite. Disse isso sem conseguir esconder o riso que escapava pelo canto da boca. Os olhos do delegado não desgrudavam do corpo de Maria de Lourdes. Ela, por sua vez, deu de chorar. Enxugou a lágrima do olho direito com a mãozinha direita fechada, como se fora um bebê. Fungou. E disse:
– Não sei, delegado… Não sei o que foi que me deu…
E daí vocês todos ficam a pensar: e aí? E aí? E aí?
E aí que nem todo final de história é imprevisível.
Maria de Lourdes continuou a chorar, ajoelhou-se diante do delegado e o delegado pensou “ajoelhou, tem que rezar”.
Foi engolido pela menina. Ergueu-se, depois de uns 15 minutos, ergueu e abotoou a calça, ajeitou o cinto – recusou, com medo do barulho, o convite feito por ela, de boca cheia, “me bate com o cinto, me bate” – e pediu um copo d´água. Ela foi a cozinha, limpou a boca com um pano de prato, e quando voltou à sala trazendo a água, perguntou:
– O senhor falou com o Alexandre sobre isso? Ele ficou muito assustado…
Ele fez um “arrã” durante um gole.
– Ele… ele… ele me acusou de alguma coisa?
– Negativo.
Fez força para disfarçar o alívio que varreu sua coluna.
Ele tomou a direção da porta. E disse, grave:
– Juízo, menina.
Ela piscou o olho, abriu a porta e acompanhou com os olhos o delegado dobrar o corredor para descer as escadas. Foi para a janela.
Viu quando Uzeda surgiu no jardim interno cercado pelas vizinhas em estado de excitação agudíssima. Não conseguiu ouvir nada mas ficou ali, com um sorriso escancarado acompanhando a cena. Ele tomou a direção da delegacia e quando sumiu, na esquina, gargalhou feito Exu Caveira chamando a atenção das condôminas.
À noite, subiu Alexandre, aliviadíssimo.
E é isso.
Há mais, há muito mais para ser contado sobre Maria de Lourdes.
Com o tempo, trago ela de volta pra cá.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

>MARIA DE LOURDES E O DELEGADO – IV

>

Maria de Lourdes abriu os olhos faltando pouco para o meio-dia e assustou-se – eis a verdade – com o cenário que lhe serviu de descanso. Passou a vista na Bíblia Sagrada e a fechou com fúria. Pôs o porta-retrato de volta sobre a cômoda, fez festinha no rosto dos pais, e dirigiu-se ao banheiro para tomar banho. Dormiu nua. Ainda enrolada na toalha foi à sala, recolheu os copos da véspera, deu um jeitinho na casa – tinha horror à idéia de ter uma empregada doméstica – e vestiu-se. “Vou almoçar no Salete…”, pensou alto. Assim que abriu a porta deu de cara com dona Abigail. A imagem daquela moça de saia florida, camiseta de malha branca e chinelos brancos, os cabelos soltos e sem sutiã, fez tremer a vizinha, que disse:
– Parece que o Bigode tem um recado para você. – o tom era de ameça.
Maria de Lourdes, cheirando a alfazema, cabelos ainda molhados, desceu as escadas sem uma resposta.
Ao chegar à portaria – e ela passaria pelo porteiro sem dizer um “a” – Bigode levantou-se. Entregou o cartão que guardava no bolso e disse, olhando para o chão:
– O doutor delegado esteve aqui hoje cedo, dona Maria de Lourdes. Pediu que a senhora entre em contato com ele.
– Obrigada, Bigode. O Alex está aí?
– Foi à praia, dona Maria de Lourdes.
– Obrigada.
Tomou a calçada, virou à direita e, ao dobrar a esquina da Afonso Pena, carregou imaginariamente cerca de vinte cabeças que torceram o pescoço para acompanhá-la. Ela não anda, ela dança. Pernas perfeitas, um par de pés estonteantes, e aqueles cabelos molhados que davam a ela uma aura ainda mais sensual, como se isso fosse possível. Quadris igualmente perfeitos, seios firmes sob a blusa, ouviu mas fez que não ouviu:
– Mas tá demais essa menina, puta que me pariu! – um coroa bebericando uma dose de uísque no Bar do Chico.
Todos assentiram, ouviram-se pequenos ganidos e diversos “é verdade”, até que entrou no Salete. Sentou-se sozinha numa das primeiras mesas, pediu duas empadas e uma Coca-Cola. Houve um falatório de garçons e de fregueses, e um deles levou um tapa na orelha da mulher:
– O que é que foi, Adalberto? Tem idade pra ser tua filha, cachorro!
Maria de Lourdes sorriu o mais bonito dos sorrisos, ouviu a reprimenda. Iluminou o salão. Intimidou a nesga de sol que atravessava o toldo. Ergueu o queixo, ajeitou o cabelo e quando deu a primeira mordida na empada, lenta, pensada, teatral, o pobre do Adalberto soltou um “meu Deus!” que fez a mulher abandonar a mesa. O casal morava no quarto andar do mesmo edifício. Passou por ela e disse:
– Já procurou o delegado, Maria de Lourdes? – e tomou o rumo de casa.
Adalberto foi atrás, deixando duas notas de 50 sobre a mesa.
– Desculpa, viu?
Maria de Lourdes riu feito Exu-Caveira.
Comeu as duas empadas, pediu um filé de frango com salada de tomate, outra garrafa de Coca-Cola, pagou a despesa e decidiu que iria dar uma caminhada na Praça Afonso Pena. De lá mesmo ligou, do celular, para a delegacia. Tinha o telefone vermelho do delegado. Deu-se o diálogo:
– Alô? Doutor Uzeda? É Maria de Lourdes, da Pardal Mallet… Aconteceu alguma coisa? Soube que o senhor esteve no prédio hoje pela manhã… – fazia voz de criança.
– Isso é o que eu quero perguntar a você, moça. Podemos trocar meia-dúzia de palavras? Pessoalmente?
– O senhor está me deixando nervosa, delegado…
– Rotina, Maria de Lourdes, rotina. Posso vê-la hoje? Fico aqui até umas cinco da tarde…
Ela sabia que alguém – não sabia quem – tinha comentado com o delegado sobre a novidade sonora da véspera. Disse:
– Pode, claro. Mas…
– Pois não.
– Ah, delegado… Não me sinto bem na delegacia, sabe…?
– Posso voltar à sua casa, Maria de Lourdes. Pela manhã não consegui encontrá-la. Toquei sua campainha durante uns bons minutos…
– Estava dormindo, doutor. Pode ser, então. A que horas?
– Cinco?
– Cinco.
– Até às cinco, menina.
– Um beijo, delegado… – e ele começou a suar do outro lado da linha.

O passeio foi de pouco mais de meia-hora. O bastante para enlouquecer os aposentados da pracinha, para tirar do prumo os clientes do Boteco do America, do Salão America, de toda a assistência que viu a moça passar. Os passeios de Maria de Lourdes, importante que se diga, são como os mais tenebrosos fenômenos naturais: há sempre vítimas, apaixonados repentinamente, neguinho que jura largar mulher e filhos, batidas de carro, trombadas entre pedestres, um troço de louco.

Ao chegar ao edifício, pouco antes das duas e meia, disse ao Bigode (e lá estavam as velhas, de plantão):

– Boa tarde. Às cinco o delegado vem me ver, tá? Pode deixar ele subir. E diga ao Alex que mais tarde eu procuro por ele.

Subiu afrontando as idosas com aquela beleza torrencial.

Às cinco em ponto, Uzeda na área. Foi recebido com honras de Chefe de Estado. As três velhas, e outras e outros vizinhos se acotovelavam no pequeno jardim interno, o cheiro de curiosidade tomava conta da pacata rua. Deu um “boa tarde” geral, foi abrindo caminho com gentileza e ao avistar o Bigode recebeu o anúncio:

– Ela avisou que o senhor viria, doutor. Pode subir.

Ele agradeceu e tomou o elevador. Ao aproximar-se da porta, a mesma se abriu:

– Muito prazer, delegado. Fique à vontade.

Maria de Lourdes vestia um short cor-de-rosa e uma blusinha de algodão, branca. Sem sutiã.

– Com licença, Maria de Lourdes… – entrou pigarreando.

A conversa não levou mais do que 40 minutos.     

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized