FAZ 93 ANOS, HOJE, MINHA AVÓ

Acordei, como de praxe no 07 de abril, já pensando nela. Já é o sétimo aniversário sem que eu possa tocá-la, abraçá-la, sem que eu possa sentir-lhe o cheiro da lavanda, a maciez da pele tratada ao longo de toda a vida com zelo de quem se sabia majestosa. Tratei de levantar cedo e preparar seu café, a banana fatiada com perfeição para ser comida com garfo, em fatias retiradas de dentro da casca, a ameixa, o damasco, o pão com requeijão, amêndoas, nozes, castanhas. Sentei-me numa das laterais da mesa – seu café foi posto na cabeceira -, rezei em voz alta minha saudade valendo-me da necessária e salutar força do verbo que sai da boca de um neto com saudade, seu neto mais velho, ri me lembrando de incontáveis histórias vividas com ela e deixei seu café guardado para que, no final do dia, eu comungue de sua energia – e minha avó tem me dado provas impressionantes (e que não vêm ao caso) da sua presença e de sua comunhão conosco.

Lembro-me como se fosse hoje. Vovô morreu em 2002 e havia uma espécie de aposta unânime, eu colhia as frases como se fossem cravos no hospital e depois no cemitério:

– Ah, a Tidoca não dura muito… – uma amiga de antanhos.

– Já, já, aposto, vai estar junto do Milton… – uma amiga do salão (vovó freqüentou o mesmo salão, na Tijuca, por mais de 50 anos).

– Olha lá, espia! Tristinha, coitada, não passa de dezembro… – essa eu não sabia quem era, vovô morreu em fevereiro e a pessimista foi implacável.

Mathilde Eugênia Monteiro de Barros Braga, em 25 de janeiro de 2009

Fato concreto é que deu-se o oposto. Depois de anos a fio cuidando do velho Milton, seu companheiro por mais de 50 anos (como o salão), diabético, um gênio daqueles, vovó sendo um anjo-de-guarda pra ele – mais moça, minha avó confessara o sonho de um dia tornar-se enfermeira -, dona Mathilde remoçou. Com a pensão do meu avô, que não era desprezível (e vovó, como as mulher de antigamente, não fazia idéia do quanto ganhava o marido), vovó foi só festa.

Às segundas-feiras ia de ônibus pro Andaraí para a sessão do Centro Espírita Bezerra de Menezes. Às terças-feiras era o sagrado dia de ir ao salão da Zizi – e lá passava o dia quase que todo. Às quartas seu destino era o Méier. Na casa de minha tia Noêmia, sua cunhada – Noêmia ainda é viva e está com 100 anos -, ia jogar o carteado e se divertia sempre quando me contava que era a caçula da mesa. Às quintas-feiras vovó ia jantar comigo – eu a buscava e a levava de volta, sempre. E ela sempre chegava com um presente, isso quando não saíamos para jantar e ela fazia questão de pagar, rindo, sempre rindo, dizendo que ganhava muito bem! Sexta-feira? Teatro. Vovó era daquelas que arregimentava velhinhos e velhinhas dentro de uma van e rodava a cidade vendo shows, peças de teatro, às vezes indo até São Paulo, e sempre de van – vovó viveu 86 anos sem nunca ter pisado num avião, tamanho o pânico.

Era a festa em pessoa. Continua sendo, pelo que tenho percebido.

Como festa foi seu próprio velório, como já contei:

“E foi, meus poucos mas fiéis leitores, um velório tijucano e rodrigueano.

Logo na entrada da capelinha, uma coroa de flores gigantesca enviada por Gilberto Braga, sua irmã Rosa Maria e seu irmão Ronaldo. Vovó era amicíssima da Ieda, mãe dos três. Sua melhor amiga, contam. Os três a chamavam “tia Tida” e por ela tinham um carinho sem tamanho. Pois vamos à cena no melhor estilo Tijuca. As velhotas que se acotovelavam em volta do caixão vez por outra apontavam na direção da tal coroa de flores. Havia um alarido (apud Nelson Rodrigues) de vozes acompanhando aquele apontar de dedos. Até que deu-se a cena de cinema.

Uma das velhas tomou a direção da coroa de flores arrastando outra velhota pela mão. Estacou diante da coroa equilibrada no cavalete, pouco depois de estender uma câmera fotográfica para sua amiga. Postou-se ao lado da bóia de flores, esticou a faixa com os dizeres “saudades eternas”, apontou pro nome do autor de novelas e disse pra outra:

– Tira! Tira! Vai!

Foi então que formou-se uma pequena fila para a mesmíssima fotografia.

Mas não ficou aí, apenas, o tijucanismo do momento.

À certa altura adentra a capelinha Dayse Lúcidi, prima da vovó. A radialista e atriz, hoje fazendo o papel de uma avó e cafetina na novela das oito, causou um furor de velhas no salão. Cochichos, fotografias, explosão de flashes, autógrafos.

E lá estava vovó vivendo o drama tantas vezes retratado por Nelson Rodrigues.

“A dor tem, ao fundo, um alarido de xícaras e de pires”, disse o mestre.

Ontem, diante da ausência do bar da capela e da presença da modernidade, o alarido foi de flashes e do automático das câmeras portáteis.”

Minha saudade e meu amor eterno, minha vó. Fique com meu beijo e com o da Morena, que você acha tão bonita…

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em gente

2 Respostas para “FAZ 93 ANOS, HOJE, MINHA AVÓ

  1. OLNEY ALMEIDA FIGUEIREDO

    Que bacana, Eduardo, muito legal essa sua ligação com os antepassados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s