30 ANOS SEM ELIS REGINA

Amanhã, 19 de janeiro de 2012, viveremos, no Brasil, uma grande saudade. Amanhã dir-se-á nos bares, nos salões, nas casas, nas cidades, nas esquinas:

– Estamos há trinta anos sem Elis Regina…

Elis Regina que, em seu último show, Trem Azul, disse, com a voz embargada:

– Agora eu sou uma estrela.

Não é fácil, meus poucos mas fiéis leitores, assumir-se assim. Mas Elis podia. Elis foi – e assim se mantém até hoje – a maior cantora que o Brasil já viu cantar. Elis foi, nos discos e nos palcos, além da voz humana. Mas não é sobre Elis, não é sobre sua biografia, tão exposta por aí, que quero lhes falar. Quero lhes falar, pra manter meu modus operandi, de minhas lembranças e de minha alma, previamente à espreita do dia de amanhã, que há de ser, por conta dos trinta anos sem ela, um bocado comovido.

Eu estava sentado no chão da sala do apartamento 203 da rua São Francisco Xavier 84, na Tijuca. Eu estava de férias. Estamos em 19 de janeiro de 1982. Tocou o telefone, eu atendi. Era minha tia Noêmia, queria falar com minha mãe. Chamei mamãe. E vi minha mãe incrédula repetir diversas vezes – “o quê?”, “como?”, “quando?” – até que desligou e disse, em direção a mim:

– Elis Regina morreu.

Notem vocês: eu era um menino, tinha apenas 12 anos de idade. E aquela notícia me pregou uma peça. E me pregou uma peça porque eu tinha uma promessa, feita por mamãe, semanas antes: ela iria me levar pra assistir, pela primeira vez, no Teatro João Caetano, ao show Trem Azul, em excursão pelo Brasil. Eu, portanto, nunca tive o privilégio de assistir Elis Regina ao vivo. E sobre isso, uma palavrinha… para que tenham noção, os mais jovens, de quem foi Elis Regina. Hoje, no Brasil, quando Chico Buarque, por exemplo, faz temporada de um mês no Rio de Janeiro, diz-se: grande temporada. Pois Elis fez temporada de um ano e meio (eu disse um ano e meio!) em São Paulo, no Rio de Janeiro, casa lotada de quinta a domingo. Porque era, sobretudo, uma cantora a serviço de seu povo, uma cantora popular. Hoje, o Brasil inteiro louva João Bosco, Aldir Blanc, Gilberto Gil, Milton Nascimento, Belchior, Guinga, tantos, tantos, tantos!… e é preciso que se diga: foi Elis Regina a primeira a abrir, pra cada um desses monstros sagrados, a primeira porta. Voltemos a 1982.

A casa de meus pais foi, naquele 19 de janeiro, palco de uma procissão de homens e mulheres em estado de choque. Lembro-me, mais, que logo depois de desligar o telefone, mamãe foi à vitrola e pôs Essa Mulher, LP de Elis Regina, de 1979, e foi Elis Regina que tocou o dia inteiro em nossa casa. A notícia, a crueza da notícia, a morte por overdose, a mistura trágica de cocaína e álcool, pegou a todos de surpresa… e o desaparecimento precoce da maior cantora do Brasil, enterrada com a camisa que foi impedida, pelo regime ditatorial, de usar no show Saudades do Brasil, deixou para sempre um vazio impossível de ser preenchido (e como compreendo, hoje mais que nunca, o que é esse vazio…).

E quero, por fim, dividir com vocês o que descobri hoje e que considero um tesouro. Mais de 60 minutos, gravados ao vivo por uma rádio gaúcha, e posteriormente gravados por uma boa alma, do show Trem Azul, em Porto Alegre, no dia 19 de setembro de 1981 – exatos quatro meses antes de sua morte.

É Elis Regina em estado bruto. Técnica perfeito, abuso – no limite – de sua força técnica, repertório impecável e um registro emocionante – e que pode ter sido o último – de Elis Regina ao vivo, hoje uma forma nebulosa feita de luz e sombra: como uma estrela.

Até.

Anúncios

15 Comentários

Arquivado em confissões, gente

15 Respostas para “30 ANOS SEM ELIS REGINA

  1. a maior de todas. elis é, e basta.

  2. Well

    Aonde eu assino em baixo?

  3. Well

    Vou postar no meu blog, posso? rs

  4. Jean já escreveu o que tinha pra escrever.
    Uma obs.: corrige ali que o show é de 81.

    Abraço.

  5. Bruno Ribeiro

    O video foi restringido. Aparece um aviso dizendo que, se eu quiser, devo assistir diretamente pelo YouTube. De resto, belíssimo texto. Elis foi (continua sendo) a porta-voz da moderna música brasileira. Faltou citar na lista de ‘afilhados’ Ivan Lins, Gonzaguinha e Renato Teixeira. Parabéns.

  6. Excelente texto, Edu.

    Ela foi genial e tinha uma personalidade fortíssima.

    Lembrei-me de um fato curioso narrado – por volta de 1992 – pelo genial violonista Carlinhos Delmiro (grande figura do Méier), irmão do lendário guitarrista Hélio Delmiro. Ele contou que, após uma apresentação no Festival de Montreux, o Hélio Delmiro levou uma bronca dela só por ter esticado um solo de guitarra. Ela disse que o show era só dela. : )

    Um forte abraço!

    Roberto Fraga Jr

  7. nina

    a melhor!!
    eu tenho apenas 20 anos e sou louca por essa mulher.
    cada dia que passa tenho mais certeza que nascia na época errada.
    não se faz mais cantoras como a grande elis.

  8. Telma Christiane

    Edu, eu tinha 9 anos e estava aí na cidade maravilhosa, minha tia me acordou pra dar a notícia, imagina, eu uma criança de 9 anos tinha a dimensão do que era a Elis…

  9. Edu, escreve outro livro. Cada dia que passa estás melhor. Eu choro contigo.

  10. Olga

    Que maravilha isso, Edu! De chorar! Saudades da Elis! Elis humilha!Tempo feliz em que as cantoras se preocupavam menos com o marketing, em que a emoção e a técnica caminhavam juntinhas, tempo em que cantoras cantavam “Atrás da porta” emocionadas, e não rindo.

  11. Fabio

    Essa Mulher… a maior, a maior!

    P.S: ontem foi aniversário de outro grande brasileiro, o máximo Leonel de Moura Brizola. Saudades do grande Caudilho. Abraços,

    Fabio (Campinas-SP)

  12. Fabio

    Essa Mulher… a maior, a maior!

    P.S: ontem, 22 de janeiro, foi aniversário de outro brasileiro incrível, o máximo Leonel de Moura Brizola. Abraços,

    Fabio (Campinas-SP)

  13. angelica

    elis regina nunca havera ninguen igual

  14. sander rodrigues albano

    Perder Elis, foi perder a maestria de renovação da MPB.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s