>AINDA SANTA CATARINA

>

Em 03 de dezembro próximo passado publiquei SANTA CATARINA, A DIMENSÃO DE UMA TRAGÉDIA (leiam aqui). Naquela ocasião incentivei, à minha moda, e dentro do minúsculo universo de pessoas que chegam até aqui, doações de toda ordem aos desafortunados que sofreram os revezes de uma tragédia natural que deixou, até o momento, 5.567 desabrigados e 27.236 desalojados, causou 128 mortes e o triste número de 26 desaparecidos.

Neste exato momento em que escrevo, o Brasil ainda se recupera do choque causado pela notícia (confirmada de forma irrefutável por imagens feitas por câmeras escondidas) de que está havendo furto de parte do material doado e armazenado nos galpões disponibilizados pela Defesa Civil em Santa Catarina (leiam a matéria e vejam o video aqui).

O Exército tem 5 mil homens trabalhando no mutirão em prol das vítimas. Os voluntários oscilam, diariamente, entre 2 e 6 mil pessoas. Não é um ou outro caso isolado que deve desestimular a continuidade do trabalho. São mais de 10 mil pessoas envolvidas no processo e são todas, evidentemente, de carne, osso e falíveis.

Se o voluntariado é, para acachapante maioria das pessoas diretamente envolvidas com a engrenagem montada para um perfeito fluxo desde o doador de qualquer parte do Brasil ao necessitado residente em Santa Catarina, uma oportunidade ímpar para o pleno exercício da caridade, da solidariedade, para o engrandecimento, para um maior entendimento da vida, é por sua vez, para uma minoria insignificante, uma oportunidade para o exercício dos mais baixos comportamentos e para o triste desvio do caráter e da postura digna que deve pautar a vida do homem.

O momento pede urgência no atendimento aos desabrigados, aos desalojados, às famílias que perderam entes queridos e que passarão este final de ano com a dor da perda, pede urgência no atendimento aos doentes, às famílias dos doentes e dos desaparecidos.

Não é o momento, é o que penso sinceramente, para julgar esse ou aquele ou mesmo para deixar esmorecer a vontade genuína de ajudar ao próximo.

São milhares, centenas de milhares de pessoas hipossuficientes no que diz respeito às mais básicas necessidades físicas do homem. E umas poucas, muito poucas, hipossuficientes no que diz respeito à condição moral. E o que quero lhes dizer é que não devemos, ainda mais no momento em que vivemos, com tantos a nos clamaram o auxílio, nos preocupar com isso.

Até.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s