SZEGERI – O MITO OUTRA VEZ

Há, entre os meus poucos mas fiéis leitores, um que é – digamos – fidelíssimo, como um cão. Escreve quase que diariamente, e os mais maldosos já me fizeram a pergunta indelicada:

– Você assina a carteira do cara?

– Quanto você paga a ele por comentário?

O fato é que o Rodrigo, de São Paulo, a quem não conheço (essa informação é importantíssima), Rodrigo Medina para ser mais preciso, chegou, inclusive, a mandar aqui para o BUTECO a sua fotografia (veja aqui) para participar da promoção que acabou não virando realidade (entenda aqui o por quê) – tamanho o grau de sua fidelidade ao BUTECO.

Presumo eu, por isso mesmo, que o Rodrigo Medina já tenha lido – e mais de uma vez, acredito! – os (até o momento) mil e tantos textos expostos no balcão virtual do BUTECO. Tendo feito isso, tem lá suas preferências.

Suponho, ainda, que ele tenha simpatia por um, por outro – já que são tantos os citados por mim em minhas histórias, todas reais e contadas com precisão impressionante.

Hoje, para minha surpresa, recebi um email do Rodrigo.

Conta-me, ele, na tal mensagem, que esteve anteontem à noite no lançamento de um livro em São Paulo, onde encontrou Bruno Ribeiro e Fernando José Szegeri – ele os conheceu através do BUTECO, e deu de cara com os dois lá, sendo necessário dizer, em nome da precisão, que ele já conhecia o Fernando de vista, ao vivo, quando esteve dia desses no Ó DO BOROGODÓ.

Emocionado diante do homem da barba amazônica e turbinado por uma boa quantidade de chope, meu fiel leitor tomou coragem (isso tudo ele me contou) e, munido de um guardanapo e uma caneta, pediu um autógrafo a seu ídolo.

Fernando José Szegeri, que não é exatamente o homem mais delicado do mundo, grunhiu um troço ou outro, tomou entre suas mãos o guardanapo e a caneta, e sapecou a dedicatória pro cara.

Em anexo, no tal email, a fotografia do autógrafo escaneada.

autógrafo de Fernando José Szegeri para Rodrigo Medina, São Paulo, SP, 25 de agosto de 2008

Até.

10 Comentários

Arquivado em Uncategorized

10 Respostas para “SZEGERI – O MITO OUTRA VEZ

  1. >Edu, valeu por ter publicado este texto. Sou leitor assíduo desde do momento que descobri, por passagem graças a entrevista do João Bosco. Não precisa pagar nada, faço questão de comentar os textos que acho bacana. Como disse para o Bruno, venho aprendendo bastante com o seu blog, não nego. É um novo horizonte que se abriu. Os bares nunca mais foram os mesmos. Eu disse para o Fernando que lia o blog dele, ele me perguntou:Você é louco? Acho que sinceramente louco é quem não. Abraço, meu caro!Rodrigo Medina

  2. >Rodrigo: o Szegeri é mesmo dado a esses arroubos de modéstia. Se ele soubesse como é que você se refere a ele nos emails que me manda – e eu não seria indiscreto a ponto de revelá-los -, não teria sido tão, digamos, indelicado – e ele o foi, de leve, não apenas quando perguntou se você era louco mas também quando deixou de escrever algo mais atencioso para que você pudesse guardar de recordação. Mas ele fez isso – tenho certeza! – porque ele não faz idéia de que ele é – me perdoe a indiscrição – um de seus ídolos.Forte abraço.

  3. >Erra crassamente (o que é raríssimo) meu irmão-craque, Galinho da Tijuca. Ao inverso do que concluis, Galo, a brincadeira “bem-mal-humorada” que fiz com o Rodrigo só foi possível porque ele se mostrou um cara que respeita o modo como vemos a vida e curte a maneira como escrevemos sobre isso. E esse nosso jeito é muito diferente da babaquice bem comportada, “politicamente correta” e bom mocista que campeia por aí. Tenha certeza, Rodrigo, que se eu escrevesse algo simpático por estrita convenção social, você teria algo absolutamente falso, artificial; ou seja: algo para não se guardar. Tens em mão, em verdade, uma recordação genuína da minha pessoa. Não é a pessoa mais agradável, mais simpática, mais gentil do mundo; mas é uma pessoa de verdade. Só.Abraço aos dois.

  4. >Notem, meus poucos mas fiéis leitores, note você, Rodrigo, mais especificamente, que o meu irmão paulista, o homem da barba amazônica, Fernando Szegeri, (01) aproveitou a bola que deixei quicando de propósito e (02) caiu na minha isca (ele sabe disso, foi apenas gentil comigo – e vou explicar).Chutando para fazer um golaço e explicando o por quê de tudo, o Szegeri apenas demonstra de forma inequívoca o que anuncio sempre: sou, permanentemente, achatado por sua sabedoria, por seu vasto conhecimento, por sua superioridade intelectual. Isso restou claro.E caiu na isca quando veio pra cima de nós cheio de modéstia. O “só” do final do comentário é franciscano demais, soa falso demais. Ele sabe que é – e não sou apenas eu a dizer isso… – o maior dentre os seres humanos respirando sobre a Terra.Guarde o autógrafo, Rodrigo, como quem guarda um tesouro. O que faltava para o souvenir valer milhões, está aí, escrito, dito e assinado pelo próprio.Um abraço, Rodrigo, e um beijo, meu irmão.

  5. >Szegeri, meu caro. Não levei a mal, pelo o contrário gostei do autografo. Esta guardado junto com o livro do Moa, lugar melhor não há. Ele esta lá guardado no meio das crônicas butequeiras. Abraço, Edu!Abraço, Fernando!

  6. >Rodrigo:”Está guardado junto com o livro do Moa, lugar melhor não há.”Há, sim.Mande emoldurar e pendure o autógrafo em seu quarto. Ou, se você fizer mesmo questão de que o Moacyr, ainda que virtualmente, seja o fiel depositário desse documento, guarde-o dentro de um CD do cara.É melhor.Vá por mim.Abração.

  7. >Podexá, não! Eu sou homem de cobrar as coisas!Depois de emoldurado e pendurado na parede, mande-me a fotografia do autógrafo do homem da barba amazônica: é – digo sem medo do erro, mesmo sem conhecer você – o objeto de maior valor que você tem.Abraço.

  8. >Edu, não prometerei. Quem sabe eu faça isso.

  9. >Não precisa prometer. Eu e o homem da barba amazônica temos quase certeza de que você prestará essa homenagem a ele – que ele merece. E anote minha sugestão (ele não seria grosseiro a ponto de recusar): convide-o para descerrar a placa na parede. Bastam umas garrafinhas de Brahma, a certeza da homenagem, umas rodelas de salaminho com limão e tudo certo.Fotografe a cerimônia.Eu publico.Abração.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s