HOJE É DIA DA DONA SÁ

Faz anos hoje, primeiro de abril, Iris Pureza Miranda, minha queridíssima sogra, que não precisaria ser a pessoa maravilhosa que é – e não me venham com piadinhas óbvias e previsíveis sobre o primeiro de abril, por favor… – para merecer de mim toda a gratidão possível. A chamo carinhosamente de Dona Sá, para não ter de chamá-la de Sá Porra, que é como a chama a mulher que me ensinou a sorrir, que por sua vez chama o pai de Sá Porre.

De pé, diante do balcão imaginário do BUTECO, ergo pra ela minha caldeireta cheia de chope bem tirado, com três dedos de espessa espuma, desejando que sua vida seja cheia de coisa boa, como cheios de coisa boa são os flagrantes que fiz, recentemente, em Cabo Frio, de belíssimos momentos de intensa ternura entre mãe e filha – a mulher que me ensinou a sorrir.

Danielli Pureza e Íris Pureza, Cabo Frio, 19 de janeiro de 2008
Danielli Pureza e Íris Pureza, Cabo Frio, 19 de janeiro de 2008
Danielli Pureza e Íris Pureza, Cabo Frio, 19 de janeiro de 2008
Danielli Pureza e Íris Pureza, Cabo Frio, 19 de janeiro de 2008
Danielli Pureza e Íris Pureza, Cabo Frio, 19 de janeiro de 2008
Danielli Pureza e Íris Pureza, Cabo Frio, 19 de janeiro de 2008

Segura as pontas daí de Volta Redonda, Dona Sá, que na sexta-feira eu subo a serra com o feijão preto e as carnes pra preparar sua feijoada – que você merece!

Até.

Anúncios

7 Comentários

Arquivado em gente

7 Respostas para “HOJE É DIA DA DONA SÁ

  1. >como são parecidas!Parabéns pra essa pureza de pessoa.

  2. >Edu,Elogios para a sogra, primeiro de abril…não sei não… vou ficar de boca fechada para não levar uma mijada. : ) Deixando de lado as brincadeiras, parabéns para a Dona Pureza!Um forte abraço!

  3. >Percebe-se de onde vez a luz do sorriso da sua Dani, Edu. Parabéns para sua sogra!!

  4. >Quando o dono do buteco é gente boa, as coisas ficam mesmo família. Feito o que me acontece com o dono do Bar do Carioca, aqui em Taboão. “Segura minha netinha aqui, David, que vou pegar mais gelo”, é comum ele me dizer.Você trazer a sua sogra aqui, Edu, é uma bela homenagem à senhora que fabricou a sua fonte de sorrisos. Mas é, também, uma demonstração de confiança conosco freqüentadores do seu buteco.Já que a data é querida, vou levantar um caneco daqui da outra ponta da Dutra. Felicidades, dona Íris!!!

  5. >Ah!Já que freqüentador de buteco via de regra é impertinente, curioso, por que Dona Sá?

  6. >Ô, David, o apelido nasceu pelo seguinte… Porque o pai (Wlader Dutra Miranda, o Comandante, glorioso personagem de meu livro) bebe como nós (muitíssimo), embora o nome possa sugerir outra coisa, minha garota o chama de Sá Porre.Nem pergunte a origem do Sá… eu não sei…Vem daí que a mãe, mulher do Comandante, passou a ser chamada de Sá Porra, sacou?Nada muito fino, concordo.Mas eu mesmo já disse… o que diferencia a Volta Redonda da Tijuca é apenas a atmosfera siderúrgica.Abração.

  7. >Porra meu, que bonito, grande coração, não é qualquer um que pode aguentar uma sogra.Sorte toda p/ vc!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s