BALCÃO DE NEGÓCIOS, BALCÃO DE EMPREGO

Francamente, como diria meu eterno e saudoso Governador Leonel de Moura Brizola… Os trinta e três atentados cometidos pelo jota, apontados na coluna à direita, no menu do blog, não deixam dúvida: trata-se do maior vendilhão do jornal O GLOBO, que tem diversos vendilhões entre seus empregados, nenhum tão eficiente quanto o homúnculo.

Mas o homúnculo é o homúnculo. E ele se supera dia após dia. Vejam isso.

É ou não é um nojo?

Valendo-se de um espaço como o que tem à disposição no Segundo Caderno d´O GLOBO, o jota oferece emprego ao medíocre garçom do Bracarense.

Antes, breve pausa. Vocês sabem que eu sou preciso do início ao fim. Por isso pedi a um amigo meu, cuja identidade omitirei, que procurasse saber a verdadeira história por trás da demissão do Chico. Sim, demissão. Conhecendo o jota como eu conheço, mentiroso como ele só, eu sabia que o Chico não havia pedindo as contas porra nenhuma. E eis, meus poucos mas fiéis leitores, o email que recebi desse amigo a que me referi:

“Tarde de sábado, 23 de dezembro, Bracarense lotado de ninguém (ou seja, “aqueles” mineiros, paulistas e que tais, que ficam fotografando o bar), como de hábito ultimamente.

Um garçom da melhor categoria, Tadeu, monta uma mesa de pé, na beira da calçada, para uns 10 malandros daqueles – leia-se, chance ímpar de ele colaborar com o caixinha coletivo da rapaziada, uma vez que o Chico, sozinho, levava um caixinha particular dele, sempre turbinada pelos já citados ninguéns.

Tratando os indivíduos com insuspeitíssima delicadeza, e já de posse de uma bandeja recheada de tulipas e caldeiretas, nosso bom Tadeu é abordado, em pleno balcão, pelo Chico, que lhe cobra satisfação e distância dos clientes de sua “carteira própria”.

Como esperado, todos – eu disse todos – os garçons e atendentes voltam-se contra o Chico, que, pelas costas, dá um tapona na orelha do bom Tadeu; resultado: tomou porrada até dizer chega, e ambos foram para o chuveiro, de imediato, suspensos por vinte dias.

Consultado por interessados, afirmei que a não demissão tornaria praxe esse tipo de episódio, em especial em tempos de vacas magras, quando é mais interessante ficar em casa sem trabalhar.

Resultado: RUA para ambos, e torço para que o bom Tadeu consiga breve recolocação; ele é dos nossos.”

Como o jota não tem sequer cacoete de jornalista, evidentemente que não procurou saber da verdade. E se procurou – do que duvido – a omitiu, como sempre. Repetindo: Chico foi demitido. Sumariamente demitido. Ponto pro Bracarense, que se livra, assim, de um medíocre elevado à categoria de celebridade graças a elementos como Manoel Carlos e o jota, que sempre que pode dá um jeito de falar no cara, como aqui e aqui, pra só citar dois exemplos.

Quero encerrar por hoje com uma, digamos, previsão quase-óbvia.

Em questão de dias o homúnculo anunciará, com destaque, a contratação do medíocre garçom sumariamente demitido do Bracarense por um desses bares-de-merda volta e meia exaltados por sua coluneta, tão medíocre quanto.

Até.

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em botequim

3 Respostas para “BALCÃO DE NEGÓCIOS, BALCÃO DE EMPREGO

  1. >Edu, é fácil’. É só fazer chegar no ouvido do homúculo que o Chico tem emprego certo no Conversa Fiada da Tijuca que ele mata dois coelhos numa porrada só. Fala do Bar de Merda e anuncia o novo emprego do Chico. Tua previsão estaria confirmada antecipadamente.Duvido que ele verifique se é verdade..Um abraço e não passarão!

  2. >Corrigindo: o ‘homúNculo’.Valeu!

  3. Pingback: INGRATIDÃO É ISSO AÍ | BUTECO DO EDU

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s