FURANDO O BLOQUEIO

Há, no jornal O GLOBO, uma seção chamada POR DENTRO DO GLOBO que pretende mostrar aos leitores o dia-a-dia da redação, os perrengues enfrentados pelos repórteres, a rotina dos responsáveis pelo jornal, enfim.

Ontem o título da matéria foi FURANDO O BLOQUEIO e começava assim:

“Apesar do embargo decretado pelo governo à presença de jornalistas estrangeiros em Cuba, O GLOBO conseguiu furar o bloqueio e mostrar a seus leitores como o país enfrenta a ausência de Fidel Castro no poder, pela primeira vez em 47 anos.”

Foi impossível não lembrar do dia 16 de setembro de 2000.

Tivesse eu um jornal e teria publicado na edição do dia 17 de setembro de 2000:

“Apesar do embargo decretado pela direção da TV GLOBO à simples menção do nome de Leonel Brizola, candidato a Prefeito pela cidade do Rio de Janeiro, EDUARDO GOLDENBERG conseguiu furar o bloqueio e mostrar aos milhões de telespectadores de todo o país como é que se dribla a inteligência dos repórteres que trabalham ao vivo, obrigados a ouvir o nome do líder trabalhista, pela primeira vez na história da Vênus Platinada.”

Foi graças a esse gesto, meus poucos mas fiéis leitores, que eu vinguei a Beth Carvalho, que infelizmente o Moacyr Luz deixou de ser meu amigo e que o Brizola, o velho e saudoso Leonel Brizola, me telefonou no dia seguinte, dizendo a frase que não esqueço:

“Tu não tens idéia da alegria que encheu o peito desse velho!”

Qualquer dia eu conto essa história com detalhes, que ela é muito boa.

Até.

Anúncios

35 Comentários

Arquivado em Uncategorized

35 Respostas para “FURANDO O BLOQUEIO

  1. ahuiahuiahuiahuiahuiahui! BOM D+

  2. Meu camarada!!!! Isso é que é peito!! Imagina a cara dos manda chuvas da Globo qdo viram isso….e a camisa….impagável, genial cara, genial!! rs Abraço!! Caio

  3. Mas aí…A pergunta que não que calar, não conheço bem a obra e as preferências políticas do Moacyr Luz, mas por que ele deixou de ser seu amigo por isso?

  4. Caio: eu pretendo contar essa história um dia desses aqui no Buteco, até mesmo porque ela é muito boa mesmo, e tem várias facetas.Tem a engraçada – e engraçada demais! – que é essa que o vídeo mostra. E foi tudo planejado mesmo, pra vingar a Beth Carvalho e pra levar o nome do Brizola pra todo o país ao vivo, e de graça!… Mas isso fica pro dia em que eu contar tudo.E tem a triste, a lamentável, que depois conto também, mas que envolve uma repressão absurda que sofri logo depois, com seguranças tentando me expulsar – sem sucesso, e graças a Dani e ao Szegeri – aos gritos, dizendo estarem cumprindo ordens do Roberto Talma, que queria me ver longe dali. Quanto ao Moacyr, ele jamais me disse o por quê, mas as evidências apontam para o fato de que ele me responsabiliza por ter perdido o festival, o que acho, ainda mais tantos anos depois, uma tremenda besteira. Mas o mais importante – e isso eu te conto quando estivermos juntos num balcão desses, por aí, e vai ser na quinta-feira que vem no Estephanio´s! – foi que o Leonel Brizola, ele mesmo, me ligou no dia seguinte, quando estive com ele pela primeira vez de muitas que se seguiram. Abraço! E… BRIZOLA! Ah, se ele estivesse vivo… Já imaginou o estrago?

  5. Tbm quero ouvir, Edu, embora nunca tenha exatamente sido fã do Engenheiro…

  6. Por que você levou tanto tempo pra nos mostra isso?! Acabo de quase perder o emprego! Meu chefe veio à minha sala saber o por quê de eu estar rolando no chão de tanto rir! E a repórter? Fez o quê? Conta!

  7. Eduardo, sou um leitor assíduo do blog, morador do Maracanã, amigo do peito do grande Rodrigo Ferrari (da inestimável livraria Folha Seca) e admirador das suas campanhas cívicas – sim, cívicas – contra as sem-vergonhices do Jota e dos Leblons da vida. Mas sempre estive em silêncio obsequioso. Hoje, porém, vou me manifestar: sensacional! Como eleitor e admirador do velho, aplaudo de pé a cena! Quanto ao Roberto Talma…nunca me enganou! Francamente…abraço

  8. A Rai e o Szegeri uma vez, no buteco do Cascão, mencionaram essa história, mas acabamos não entrando em detalhes… hahahaha, animal!! animal!! Putz, muito bom, Edu! hahahahahaha…. imagino a cara da Fátima Bernardes…

  9. Desculpem, confundi a repórter, não é a Fátima, é a Renata… mais uma vez: DO C…. Edú!!!! Já vi umas 5 vezes!

  10. Grande Favela: é isso aí! A repórter era a Renata Ceribelli, malandro, que ficou com a maior cara de bunda da história da TV! Teve até notinha na VEJA, salvo engano, com o título “SAIA JUSTA”, falando justamente sobre a cara de bunda (repetição proposital) da mais chata repórter dos últimas anos. É isso! Brizola! PS: espalha o link, espalha o link!

  11. L.A.Simas: seja bem chegado, camarada! E faça o seguinte… Aproveite o fim – tardio, hein! – do silêncio obsequioso e passe a soltar os cachorros aqui no balcão do Buteco que o dono agradece! E bem ao estilo do Velho Caudilho! Forte abraço!

  12. Edu… quase fiz companhia ao roberto romualdo na fila dos desempregados.. meu chefe me pegou rindo a beça… aí tive que mostrar p/ ele.. que acabou rindo comigo.. sensacional!!!!! Abraços..

  13. Edu…convocação aceita e o link já começou a ser devidamente espalhado, para o deleite da rapaziada. Abração.

  14. Muito bom! Achei que vc não usaria o vídeo nunca… aguardo a história completa.

  15. Espetacular! Foi um tempo difícil aquele e a pessoa do grande Brizola nos enchia de esperança e, por que não dizer, de um certo prazer de vê-lo pontificar suas verdades com postura impoluta, olhar terno e, muitas vezes com o dedo em riste. Porém, um tempo muito bom. Aprendemos a driblar os sentinelas e fizemos vazar muita informação, como você fez com a Globo. O que acontece hoje? Ninguém mais segura com a firmeza do Brizola a bandeira da educação, ninguém mais fala a verdade com brilho nos olhos, ninguém mais tem credenciais de meio século de vida pública com 100% de isenção, e isso nubla o nosso horizonte. Por enquanto. É pena.

  16. Pequena observação, por justiça: o grande Marcão também ajudou um bocado na resistência aos brucutus globais. Pô, Favela, aê: Bar do Cascão… Essa você tirou do fundo do baú!!! Que noite, camarada, que noite… (ou deveria dizer “que dia…”)

  17. Szegeri, meu Otto: você acredita – e peço desculpas públicas ao grande Marcão – que eu apaguei a figura do bardo do fuzuê?

  18. Eu via pela TV quando aconteceu o fato… Inesquecível, sensacional.

  19. Ah!!!!! Eu conheço a história há mto tempo, mas nao tinha visto a cena. muito boa mesmo. mas faltou mostrar a cara de bunda da renata, né?! não dá pra aumentar o video um pouquinho, nao?

  20. Ué, você brigou com o Moa? Ôxi. E siga com a história, tá boa.

  21. Edu, não precisa pedir desculpas alguma. É uma pena que o vídeo acaba antes da cara da repórter, que gaguejou e perdeu completamente o rebolado. Foi a última vez que a Globo fez um evento dessa natureza ao vivo, não foi? Seria coincidência?

  22. Tchê Lôco! (Tchê honorário, Lôco por opção – e saiba que isto no Rio Grande do tio Briza é um baita elogio.) Há ainda mais um detalhe para maior glória deste ato político revolucionário em rede nacional e que provavelmente desconheces: dia 16 de setembro é dia do aniversário deste modesto comentarista e, tchans!, do mais simpático, talentoso e original boêmio de que se tem notícia – Lupiscínio Rodrigues. Mandaste ver, mesmo!, e fizeste justiça e honra aos que homenageaste e também a estes dois que digo aqui.

  23. Kaká: a cara de bunda da repórter não aparece neste vídeo, que eu baixei do próprio site do PDT, que logo no dia seguinte o disponibilizou na primeira página com uma tarja onde se lia DEU 12 NA GLOBO. E quanto ao tamanho, não, acho que não se aumenta. Mas não manjo muito disso! Bruno: eu não briguei com ninguém! Foi ele que deixou de falar comigo por conta disso. Marcão: acho mesmo que depois disso não houve mais nada transmitido ao vivo pela TV GLOBO. Mas se houver eu estarei lá de novo! Jean: agradeço comovido o elogio à moda gaúcha! Espalha o link, espalha o link!

  24. Edu querido, faz tempo que eu não visito seu blog, que sempre me amplia incessantemente a compreensão da realidade mais essencial. Eu adorei o vídeo. Preciso saber dessa história! E embora eu seja uma mulher que manifesta minha energia mais moderadamente na política que na pista de dança, teu radicalismo ali foi de quem dança um samba no pé no meio de um ballroom, com a platéia toda perplexa, esperando uma valsa. Muito bom. Em outros casos, como moradora do Leblon por mais de 20 anos, devo discordar de algumas das suas colocações mais radicais e dizer que, na minha percepção de figurinha local, o Leblon é um bairro provinciano (no melhor sentido da palavra), em diversos aspectos. Mas isso é papo pra outra hora. E da série, as coisas simples são fundamentais, pra ilustrar seu balcão com uma percepção feminina, pergunta à Dani se ela já reparou que não fazem mais no mercado sutiãs meia-taça SEM bojo!!!!! Nossa, e as moças com air bag próprio que não querem se assemelhar à Danielle Winnits fazem o que agora?

  25. Cris: venha sempre, pô, que você fal falta no balcão! Eu faço questão de contar a você a história toda, timtim por timtim, que ela é – não é demais repetir – boa demais! Por que você não aciona ele-que-é-biólogo e que silenciou sobre o jantar que combinávamos, assim, muito por alto? Bela oportunidade para que tudo seja contado, com a minha visão e a de Dani, que comportou-se como uma heroína! Beijo grande. PS: Ah, sim… o sutiã… já perguntei, já entendi… Só mais uma faceta dessa figura geométrica medonha que é a mudernidade.

  26. Eduardo, muito, muito bom isso! Ha! ha! Gostaria de ter visto ao vivo. Chego aqui através do Jean Scharlau e não me arrependo. Voltarei outras vezes. Te convido a passar lá no blog. Abração!

  27. Vim pelo Blog do Jean. Depois de seis anos eu soube a explicação para o episódio da entrevistra. Juro que eu pensei que fosse ao contrário. Um cara dando aquele recado político fora de hora num evento musical estaria mais para queimar o filme do citado do que ajudá-lo. Ainda mais se tratando de um político desgastado como Brizola. Bom… Pelo menos está explicado. Mas a deixa foi boa. Você foi esperto. Pena que pouca gente viu e valeu para provar que eles não são infalíveis. Aquele festival foi um fracasso. Alías foi muito difícil encontrar o CD com as finalistas. Mas quanto a suspeita que vc influiu no resultado fique tranquilo. “Tudo bem, meu bem” mereceu vencer.

  28. Voltei para dizer que linkei seu Blog e abordei este acontecimento lá em casa. Um abraço.

  29. Ainda bem que eu não tava bebendo nada quando vi o vídeo: provavelmente teria cuspido tudo na tela do PC com o susto!

  30. Muito bom, todos na "Toda poderosa" se borraram nessa hora!

  31. Brilhante!, no maior estilo “atrás das linhas inimigas”. Guerrilha democrática pura!

  32. Pingback: BUTECO DO EDU

  33. Pingback: UM GESTO DE REBELDIA | BUTECO DO EDU

  34. Mito! A espera do momento certo que foi demais, deu pra ver nos seus olhos, que estava tramando, parabéns. Aguardo a história.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s